segunda-feira, 16 de maio de 2016

Pensamentos como Bolinhas de Sabão


Hoje eu quase posso tocar o meu cérebro e sentir o quanto está esgotado de páginas em branco e letras saltitantes.
As minhas mãos doem a cada movimento e todo o meu corpo parece dizer que é preciso calar quando não se quer dizer tudo que há para dizer.
Decidi lutar contra todos eles e busquei inspiração na minha vida.


Cheguei à conclusão de que não só o tempo passa rápido, como minhas certezas viram incertezas assim que dobro a esquina e gostei de saber que posso ser assim, cada dia de um jeito.
Pensei em Paris. De Satre e Bauvear. Com cafés a meia luz, repleto de pessoas com pensamentos luminosos, claros e sinceros.
Bem distante de comentários relativamente egoístas, pequenos e pessoais.
Ai, ai, ai...o mundo se perde ao tentar passar ileso entre as pernas de cidadãos de línguas afiadas e mentes desafinadas.
Eu já pensei em me esconder em algum lugar alternativo, viver do que plantar, esses pensamentos tão ecológicos quanto ilógicos, no meu caso.
Com a maturidade, percebi que a solução é fazer do meu lar o meu paraíso. Ele tem que ser suave, macio, romântico, com flores coloridas, risos graciosos, algumas peças que me lembram à infância e um perfume para suspirar sonhos.
Penso mais nos outros, como ser útil e deixar as pessoas ao meu redor muito mais felizes. Acredito que a felicidade só existe se é compartilhada. Penso em criar coisas novas, em unir pessoas interessantes, em assumir responsabilidades que vão transformar vidas.

Penso, tanto!

Neste momento, eu penso no quanto é incrível que o pensamento seja tão inesgotável quanto passageiro. Ele voa sobre nós, em algum momento se deixa apanhar no ar para logo depois continuar seu plano de vôo.
Isso é bom, sinal que mais pessoas vão pensar, por um curto espaço de tempo, da mesma forma que eu penso.
...pensamentos como bolinhas de sabão, coloridas, leves, frágeis, viajando ao sabor do vento.