segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Gentileza gera Felicidade


Estava olhando para a tela branca do computador, meio sem saber como expressar a minha urgência por um mundo mais gentil, quando a minha amiga Márcia entrou na sala e me entregou um copo de chá bem quentinho.
“Trouxe para você”.
Sem saber ela involuntariamente acaba de participar do movimento, iniciado hoje, dia 3, pela revista Vida Simples, que criou o Dia da Gentileza.
O profeta Gentileza (você já ouviu falar?), que se estivesse vivo estaria com 94 anos, dizia: “Gentileza gera Gentileza”. Vou mais longe: "Gentileza gera Felicidade"
Enquanto saboreio o meu chá estou pensando nas coisas boas que aconteceram comigo nos últimos dias e nos textos que me inspiraram a ser uma pessoa mais gentil e, portanto, mais feliz.
Lembrei de um texto enviado pela minha mãe Abigail sobre um homem que foi salvo por um simples “bom dia”.
Resumindo: Todas as manhãs ele passava pelo vigia da empresa aonde trabalhava, um frigorífico, e falava: “bom dia”.
No dia em que essa rotina não se cumpriu, o vigia sentiu falta e foi atrás do “seu bom dia”. E não é que o homem estava preso na câmera refrigerada. Por pouco não morre de hipotermia?
Outro texto bastante delicado que recebi foi sobre um casal de idosos. A senhora, muito vaidosa, sofreu queimaduras graves no rosto e no corpo. O seu marido fingiu durante 20 anos que tinha ficado cego para não fazê-la sofrer.
Foi um homem muito amado e soube retribuir da mesma forma.
Conheço pessoas muito gentis com os outros, mas muito ásperas consigo. São cruéis ao analisarem os seus próprios erros e quando falam de si citam uma lista de defeitos.
Eu sou da opinião que antes de arrumar a casa dos amigos e da família, preciso arrumar primeiro a minha casa.
Quero ser uma inspiração na vida das pessoas. Por isso, procuro ser gentil comigo. Um modo de fazer isso é lutando, cada dia, cada segundo, por mais tempo livre.
Eu quero tempo livre para me olhar, conversar comigo, observar as mudanças que ocorrem na minha mente e no meu corpo. Eu busco tempo para me amar.
Quero que todos que se aproximem de mim sintam essa vibração. Alguém já deve ter dito: O amor contagia.
Quem se ama é gentil consigo e com todos à sua volta. A falta de amor gera rancor, raiva e gases (essa foi por minha conta, kkkk)
Nem sempre é fácil se amar e ser gentil quando nos sentimos culpados por não resistir a um belo prato de macarronada durante a madrugada, exagerar no churrasco, caipirinha, bolo de chocolate e tantas guloseimas irresistíveis.
Estava falando sobre isso com a minha querida irmã Fernanda, neste final de semana, que me deu uma dica de como continuar se amando e se respeitando depois de não ter resistido às tentações da gastronomia.
Ela disse que antes sempre que se dava ao luxo de “pisar o pé na jaca”, se sentia feia ou gorda e o prazer à mesa logo se transformava em culpa. Agora isso mudou.
“Eu me dei conta que não importa o quanto a pessoa emagreça, sempre vai achar que poderia perder mais 1 kg; não importa quantas plásticas ou lipos venha a fazer, pois se procurar sempre vai achar algo que gostaria de mudar no meu corpo”.
“Por isso, olho para dentro de mim e converso com o meu corpo: o que fará melhor para ele, água ou refrigerante? Da mesma forma, eu lido com a comida”.
A minha irmã aprendeu a ser gentil com o seu corpo e está mais feliz. Eu acho até que emagreceu, sério!
Ser gentil é uma escolha. Faça uma experiência e verá que o universo, que sempre conspira a nosso favor, fará a parte dele.
Dias, tardes e noites gentis para você!