segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Roma: o berço da propaganda política

Definir o que é arte romana é complicado.
Os incansáveis guerreiros romanos durante mil anos estenderam o seu território das Ilhas Britânicas, passando por toda a Europa Central, Grécia, regiões do norte da África e do Oriente Médio até o mar Cáspio.
Aí você pode imaginar... aprenderam uma técnica de pintura ali e outra de escultura aqui, o resultado é que a arte romana se tornou uma confusão de estilos.
E facilmente podemos confundi-la com a arte grega.
Por exemplo, o Coliseu de Roma, um teatro que abrigava espetáculos grandiosos e um símbolo da cidade, com suas colunas e elementos decorativos, faz uma referência ao estilo da Grécia antiga.



Mas, o povo romano também tinha os seus talentos.
Os efeitos estruturais alcançados na altura (49m) e a enorme arquibancada oval (com capacidade para 50 mil pessoas) sustentada sobre corredores excêntricos e coberta por abóbodas semicirculares de concreto são características importantes do estilo romano.
Embora os artistas romanos copiassem as estátuas gregas originais, eles deram muito mais destaque aos detalhes realísticos, incluindo os contornos e dobras de peles.
Os romanos também se destacavam por construir grandes monumentos públicos para comemorar o sucesso na guerra ou os frutos da paz, em geral, celebrados em altares e arcos de triunfo.
Naquela época, eles já sabiam a importância da propaganda. Sem saber, foram os primeiros a fazer marketing político.
É o poder da arte a serviço da política. Sinceramente, não gosto disso.