quinta-feira, 8 de março de 2012

Necessidade e Desejo


Se o gênio da lâmpada aparecesse hoje e dissesse:
- Hoje é o Dia da Mulher, portanto, concedo a você um pedido.
- Agora?
- Sim. Aproveite que é só hoje. Depois vem o Dia do Pai, do Estudante, da Água e do Sono. Portanto, pense rápido e responda. Como posso fazer você mais feliz? O que você necessita?
E nessas poucas palavras eu passo a refletir sobre as minhas necessidades, mas preciso escolher apenas uma. Tarefa impossível, diante da lista enorme de coisas que aparecem na minha cabeça.
Aos poucos vou eliminando cada uma delas à procura do que é essencial.
Necessito de um carro novo? Não, seria bacana, mas já tenho um carro que me atende. Portanto, eu desejo, mas não necessito.
Necessito de uma nova casa? Não, adoro a minha casa. Seria interessante começar tudo de novo, escolher uma nova mobília, mas é prioridade? Definitivamente, não.
Necessito de mais amor? Tenho filhos e marido sempre ao meu lado. Gostaria de ser mais paparicada? Quem não gostaria? Mas, uma hora eu me sentiria sufocada. Está na medida certa, deixa como está.
Necessito de um novo emprego? Com certeza não. Gosto do que faço, o horário é perfeito, o salário não é ruim. Poderia ser melhor? Sempre. Mas, eu teria que modificar a rotina, estou disposta a isso? Não.
Necessito de mais saúde? Poderia ter um melhor condicionamento físico, sinto algumas dores nas articulações, mas fiz todos os exames há pouco tempo e está tudo bem. 
Uma voz lá no fundo da minha cabeça insiste... – Vai perder a oportunidade de ser ainda mais feliz? Vai deixar o gênio ir embora sem pedir o que deseja?
E assim... eu mudo o foco dos meus pensamentos. Deixo de pensar nas minhas necessidades e passo a pensar em tudo que eu desejo.
Eu desejo tanta coisa. Desejo ser mais magra, mais alta, mais calma, mais relaxada, mais esportiva, é tanta coisa...
- Gênio, está difícil de escolher. Um pedido só é pouco, desejo muita coisa.
As horas vão passando, cada vez que descarto um desejo aparece outro ainda melhor, mais especial.
Sinto que o gênio começa a se revirar, está ficando impaciente.
- Quem muito quer nada tem. Peça logo, diga o que eu faço para que você seja mais feliz. Não pode ser tão difícil.
Lembrei de uma frase de um grande homem. - “A felicidade é na medida das suas necessidades”.
Ele não disse desejo, disse necessidade.
- Eu necessito ser livre da culpa de ser apenas eu, disse de sopetão.
O gênio me olhou com cara de poucos amigos e depois meio contrariado...:
- Você conhece alguma mulher que não sente culpa? Pergunta.
Depois insiste...
- Porque não diz apenas que deseja ser homem e facilita o meu trabalho?
Simples. Não quero facilitar, estou aqui para bagunçar.