sexta-feira, 20 de abril de 2012

Espelho, espelho meu



Ela tinha escolhido um lindo vestido para ir à festa, comprou sapatos novos, caprichou na maquiagem e, dessa vez, apostou em um lindo corte de cabelo.
A produção tinha custado uma nota, mas nada se comparava ao fato de estar se sentindo tão segura e linda naquela festa.
Todos disseram que ela estava deslumbrante, com um brilho especial. “- Você vai arrasar!”, disse a sua manicure, pouco antes de deixar o salão e jogar um beijo a todas.
Só tinha um problema: o marido.
Enquanto olhava ele sair rapidamente do banheiro, sem ao menos fazer a barba, ela praguejava baixinho: - “O cachorro vira lata podia tentar se arrumar um pouco melhor, mas não...”
Para não atrasar ainda mais o programa, mesmo contrariada, ela decidiu ficar calada e, junto com o filho pequeno, os dois seguiram para a festa.
A festa estava divertida. A música era animada, os salgadinhos fritos na hora, o bolo e os docinhos tentadores.
Mas, ela não conseguia esquecer a atitude do marido.
- “Puxa, que falta de consideração! Ele podia ter se arrumado um pouco melhor para me acompanhar nessa festa. O egoísta não deu a mínima para o meu novo visual, sequer me fez um elogio...”
O pensamento negativo foi contaminando a sua mente e logo ela estava com um tremendo mau humor.
 Enquanto isso, com o filho nos braços, o marido era o sinônimo da felicidade, distribuindo sorrisos e gentilezas. Ela só via a boca dele cheia de dentes arreganhados e tinha vontade de socá-lo na parede.
– “Você está feliz? Depois de estragar a minha festa, agora você está feliz?”.
Conseguiu se controlar para evitar um barraco, mas quando os dois estavam no carro, com o filho dormindo no banco de trás, soltou o verbo.
- Você é um insensível! Eu me arrumo toda para você e é isso o que eu ganho? Nem ao menos faz a barba para me acompanhar. A sua indiferença mostra que já não me ama como antes...
E para encerrar o assunto...
- O nosso casamento acabou. Eu vou para a casa da minha mãe.
E lá estava ela, com tudo que importava: o filho e uma mala com alguns pertences, obstinada a viver na casa da mãe, longe do cafajeste que partiu o seu coração.
A mãe, super protetora e solitária, estava radiante.
Quando entrou no seu antigo quarto, viu um imenso espelho na parede e decidiu se aproximar.
Ela olhou, olhou, olhou... fez uma voltinha, jogou os cabelos de um lado e depois do outro, chegou mais perto...
Cabisbaixa, voltou para a sala.
 – Mãe, eu preciso voltar para casa, agora!
- Ué, mas você estava tão decidida.
- Isso foi antes de olhar no espelho. Eu entendi que estou jogando fora o homem da minha vida.
- Quando você descobriu isso?
- Ele não me elogia, mas também não me critica. O silêncio dele é uma grande prova de amor.
Quando dizem que o coração tem suas razões, a gente acredita.
Quando o coração não encontra qualquer razão, se for o caso, a gente inventa.
Naquela tarde, ela ligou para casa...
- Querido, estou tão sentida com a nossa briga, quero ir para a nossa casa, você vem me buscar?
Essa história aconteceu de verdade. Quem conhece o casal brinca dizendo que o espelho foi à salvação do casamento.
Será? Na dúvida, aproveite o final de semana e compre um bem grande para o quarto, a sala, a cozinha, banheiro, esqueci de algum lugar? Ã?