quinta-feira, 14 de junho de 2012

Drama dentro e fora das telas


Como já disse o Barroco surgiu para dar voz a uma época bastante dramática, quando os dogmas da igreja estavam sendo questionados pela reforma protestante e as novas ideias dos cientistas.
Mas, como a arte imita a vida. Dois artistas bastante reconhecidos nesse período levaram o seus dramas reais para os seus trabalhos.
A primeira é Artemisia Gentileschi, que é considerada por muitos como a pintora mais importante até ao século XX. Violada por um amigo de seu pai tudo na sua vida mudou ao ter de suportar a desonra e a injustiça perante a saída incólume do violador. A sua raiva foi muitas vezes transportada para a pintura.
Foi logo a seguir à farsa do julgamento que deveria condenar o seu violador, que Gentileschi pintou “Judite degolando Holofernes” uma verdadeira obra-prima. Já em Florença, e casada com um artista local, ela retornou mais cinco vezes a esta cena bíblica que se transformou na sua assinatura artística.
Artemisia foi uma mulher independente, pois ficou viúva muito cedo e assumiu o controlo da sua vida a todos os níveis.
A pintura “Judite degolando Holofernes” é baseada no livro apócrifo de Judite, 13, Antigo Testamento.
A cena é bruta, dramática, com fundo escuro e a cama manchada de sangue. Mas, quem era esse homem para merecer tal destino?
Segundo a história, Holofernes era um general Assírio, das tropas de Nabucodonossor, que invadiu uma pequena cidade judaica chamada Betúlia. Após uma noite de bebedeira, quando já tinha ido dormir, ele foi atacado e degolado por Judite.
Judite foi considerada uma heroína porque a morte do general devolveu ao povo esperança para conseguir vencer os invasores.
A história apócrifa de Judite e Holofernes sempre atraiu e fascinou artistas ao longo dos séculos, entre eles artistas como Palma Vecchio, Michelangelo, Rembrandt, Donatelo, Botticelli, Gustav Klimt entre muitos outros.