quinta-feira, 14 de junho de 2012

Drama e Exagero: esse é o Barraco

Escultura "O êxtase de Santa Tereza", de Gianlorenzo Bernini

Início do século 17 foi uma época de enormes transformações em toda a Europa.

Politicamente o período testemunhou a ascensão de líderes e governantes dispostos a se vangloriar da sua imensa riqueza: cálices com joias incrustadas, tapeçarias com fios de ouro e monumentos arquitetônicos extravagantes.
Ao mesmo tempo, as obras de Newton e Galileu produziam novidades históricas no mundo da ciência e a filosofia de Descartes transformou a ideia do lugar que o homem ocupava no mundo.
Contudo, a maior revolução ocorreu na religião, com a liderança dos papas de Roma sendo questionada pela reforma protestante.
A estratégia da igreja católica para recuperar a sua autoridade e combater a fé protestante ficou conhecida como contrarreforma e foi anunciada durante o Concílio de Trento, e enfatizou a divulgação dos ideais religiosos através da arte.
Para acompanhar a época marcada por crise religiosa, nasce o estilo barroco revestido de drama e exageros.


Pintura "A deposição da Cruz”,de Peter Paul Rubens.



Nessa época, os artistas passaram a retratar as narrativas bíblicas com imagens que tem o objetivo de despertar o fervor religioso, assim a postura heroica de Cristo é intensificada, com o corpo musculoso lembrando as esculturas clássicas dos deuses, como pode ser visto no quadro “A deposição da Cruz”, de Peter Paul Rubens.
O mesmo apelo aparece na escultura “O êxtase de Santa Teresa”, de Gianlorenzo Bernini, feita em mármore, bronze, vidro e afresco. A imagem de Santa Teresa está caída num arrebatamento quase erótico e ao mesmo tempo um apelo à compaixão expectador.