quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Você odeia política, será?


Toda eleição é a mesma coisa, as pessoas reclamam da falta de opções entre os candidatos aos cargos nos poderes executivo e legislativo.
E todos os anos eu penso porque aqueles que reclamam não colocam os seus nomes para apreciação popular, não se candidatam.
Mas, o certo é que nem todos têm o perfil ou a disposição para a política partidária. Realmente, o mundo da política, permeado por conchavos e tentativas de corrupção, é para poucos.
Alguns se adaptam a esse mundo e conseguem fazer o seu trabalho da melhor forma possível. Falo isso porque ainda acredito em político honesto.
No entanto, existem outros, entre os quais eu me encaixo, que não conseguiriam sobreviver a esse mundo complicado demais.
No entanto, dizer que odeia política é o mesmo que dizer que odeia viver em sociedade.
Nós exercemos a política desde o momento em que acordamos e começamos a planejar a rotina do dia.
Separar o lixo da sucata, por exemplo, é uma decisão política. Tem aqueles que concordam com essa atitude, mas tem outros que pouco se importam. De qual lado você está?
Essas pequenas atitudes que tomamos no dia a dia são extremamente políticas porque não vivemos isolados, pelo contrário, vivemos totalmente interligados. Ouvi essa frase e adorei: o mesmo ar que eu respiro passa no seu pulmão.
Os meus atos em casa vão afetar a vida de pessoas que eu sequer conheço.
Quando eu não obedeço à regra e estaciono o carro em local para deficiente, alguém será afetado por essa decisão.
Portanto, não são apenas os prefeitos, vereadores, deputados e senadores que são capazes de mudar a vida da comunidade, cidade, estado ou país, cada um de nós tem esse poder. Somos todos políticos.
A forma como usar esse poder é o que nos diferencia.
Eu escolhi fazer isso através das palavras, fazendo as pessoas refletirem, sonharem, sentirem que não são tão diferentes umas das outras, que todos erramos e acertamos, mas sempre seremos dignos de ser amados.
Eu também exerço a política na minha casa, educando os meus filhos para serem cidadãos de bem, felizes, livres e com muitos sonhos para tornar o mundo um lugar melhor.
Eu sei que cada um tem a sua forma de fazer política. Se candidatando a um cargo eletivo, participando de uma associação, ONG ou de algum serviço voluntário.
Não importa o lugar aonde você vai exercer a política, mas a causa pela qual você luta.