quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Espelho da depressão

Ela sempre foi uma mulher linda e vaidosa, mas agora está se sentindo fora de forma.  Um pneuzinho ali outro aqui, a barriguinha se projetando para fora da calça; as pernas roçando uma a outra e os braços que parecem ganhar vida sempre que ela cumprimenta alguém.
O pior é enfrentar as críticas do marido. Um ex- atleta que, apesar da idade e da cervejinha, parece estar em sua melhor forma. Porque os anos parecem ser melhores com os homens?
Cansada da situação, ela decidiu que era hora de mudar. E foi assim que ela parou ali, naquela academia cheia de equipamentos estranhos, tão parecidos com um hospital.
Mas, não era isso mesmo o que ela precisava? Um hospital, algo bem radical, para curar de vez o seu corpo e livrá-la das gordurinhas. Pensava, enquanto se preparava para iniciar a série de exercícios.
No início, não soube dizer bem o que era, mas algo na sala começou a incomodá-la. Ela não estava feliz.

Será que a roupa de ginástica estava muito apertada? Os exercícios difíceis demais? Ou era a voz da professora?
A cada esforço, ela olhava para o espelho. O mau humor tomando conta de todo o seu ser.   

Um gesto e olhava para o espelho. “Porque esse espelho precisa ser desse tamanho?”, perguntou.
Como ninguém respondeu, decidiu ficar quieta e se concentrar. Mas, o cenário que o espelho mostrava era desanimador demais para ela.

E no final daquela aula, ao invés de sentir-se revitalizada, ela estava em depressão. E decidiu: Não voltava mais, olhar para si mesma tinha sido uma tortura.
Quando ela me contou, eu achei a história engraçada. Já fiz aula de pilates e adorei.

Mas, quem sou eu para criticá-la? Já perdi as contas das vezes em que deixei de comprar um biquíni ou uma calça por causa do maldito espelho da loja. “Você está linda!”, dizia a vendedora. No entanto, o espelho dizia outra coisa. Eu deixava tudo lá.
Aliás, uma dica importante para qualquer lojista e dono de academia: compre um espelho que emagreça. Quem acha que não existe está enganado, eu tenho muitas amigas que provam o contrário.
Mais do que o olhar do outro, o olhar que lançamos sobre nós pode ser ainda mais cruel.