quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Munique – Um lugar para recordar

EUROPA
 
Alemanha - Munique (PARTE I)
 
 
 
Na cidade de Munique (em alemão: München), na Alemanha, nós ficamos hospedados no Hotel Brack, apesar de bastante simples, logo em frente ficava uma estação e metrô.
Nós fomos aconselhados a deixar o carro no hotel e fazer o passeio até o centro de metrô. Compramos o bilhete no hotel e seguimos para a estação. Como não falamos alemão, decidimos fotografar as placas com os nomes das ruas, caso nós nos perdêssemos.  
Chegamos à estação e tivemos uma surpresa. Ali não tinha catraca ou funcionário para receber o bilhete do metrô. Passamos direto e entramos no vagão.

 
Durante o passeio, uma alemã ouviu a nossa conversa e perguntou de onde vínhamos. – Somos do Brasil.
Essas palavras parecem ter feito uma mágica e fizemos uma amiga com muita disposição para conversar.
 
 
 
Ela nos contou um pouco sobre a cidade e desceu com a gente na estação mais próxima da Marienplatz (em português, significa Praça de Maria), onde nos indicou alguns bares e restaurantes.
No centro da praça está a Coluna de Maria erigida em 1638, que dá o nome à praça.
 
 
No período medieval, a praça abrigava o mercado de sal e milho, mas hoje o que chama atenção é a Neues Rathaus, a nova prefeitura, com flores nas sacadas e a torre do relógio.
Na torre do relógio, às 11h e às 17h, os sinos tocam e começa a apresentação de bonecos que dançam ao som de músicas folclóricas. Dizem que essa tradição começou em 1517 para alegrar a cidade que temia a peste negra.
 
 
A Marienplatz é muito bonita. Nós ficamos impressionados com o número de turistas vindos do oriente médio, chamava atenção a enorme quantidade de mulheres vestidas com burca.
Era verão, mas a temperatura estava muito agradável. Por isso, ficamos caminhando até anoitecer. Nós passamos por lugares lindos.
 
Apesar do sol já ter se despedido, muitas pessoas permaneciam nas ruas, brincavam com as crianças nos parques. Enfim, nos sentimos muito seguros.
 
 
Passamos em frente a um carro que estava todo queimado e ao nos aproximar ouvimos um som vindo do interior, possivelmente contando como o veículo teria chegado naquele estado.
Voltamos à Marienplatz e, à noite, onde várias bandas se apresentavam, ficamos parados ouvindo uma delas chamada White e cantamos junto com outras pessoas, uma prova de que a música consegue quebrar barreiras.
Apesar de estar com o meu marido e cercada por tantas pessoas, senti um aperto no coração com saudades de casa.  

continuação...

Dachau - O primeiro campo de concentração nazista