quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Organize o quarto das crianças




Por alguns dias, eu fiquei hospedada na casa da minha irmã caçula, mãe do Felipe, meu sobrinho, de 5 anos, uma criança esperta, que adora brincar.
Com dois filhos adolescentes, faz tempo que eu não via um quarto com tantos brinquedos.
E não deu outra: logo tive a ideia de propor a ele que juntos arrumássemos o quarto, separando os brinquedos para doação e aqueles que voltariam para as prateleiras.
Ele topou na hora.

Na 1ª Etapa, nós dois tivemos uma conversa bem objetiva, na medida do que é possível com um menino super ativo.
- O que você quer mudar no seu quarto?
Resposta: Quero os meus brinquedos preferidos em um lugar onde eu possa pegar.

- Você tem uma cor favorita?
Resposta: Quero tudo colorido.

Você que está lendo, deve estar fazendo aquela cara Ó... (de quem não acredita).
Mas, experimente perguntar para o seu filho o que ele quer e poderá se surpreender. Foi o que aconteceu comigo.  
A 2ª etapa foi sair à procura de organizadores para guardar os brinquedos.
Claro, que antes de sair à procura de organizadores, eu dei uma olhada nos tipos de brinquedos, observando a quantidade e o tamanho. Também considerei o espaço do quarto.
Eu percebi que o Felipe possuía brinquedos muito diversificados: carrinhos, bonequinhos, bolinhas, roupas de super heróis, Playmobil, infinito e além... Por isso, saí à procura de caixas médias para separar por itens.
Os preços das caixas com tampa não estavam atrativos e decidi usar a criatividade. Eu optei por alguns cestos super coloridos, flexíveis e com alças, assim o Felipe pode carregar pela casa.
Eu procurei aquelas sapateiras antigas, de colocar atrás da porta, ótima para guardar brinquedos pequenos e utensílios como lápis e canetinha, mas não encontrei.
A 3ª etapa foi separar os brinquedos para doação daqueles que voltariam para a prateleira.
Eu fiz pequenos montinhos de brinquedos para que o Felipe não desanimasse ao ver uma grande quantidade de coisas e dei a ele dois baldinhos.

- Neste azul você coloca aquilo que vai guardar. No amarelo, você coloca aquilo que vai doar.

O pote azul ficou cheio rapidinho...
- Tia, me dá outro pote?

Momento reflexão...
- Tá vendo, Felipe, quantas coisas você tem. Nem cabe mais no potinho. Fique atento na hora de comprar mais brinquedos, pensea antes se você precisa mesmo.

O trabalho continuou por algumas horas. Antes de separar qualquer coisa, eu perguntava:

- E esse: você vai guardar ou vai doar?
É preciso respeitar a opinião da criança, os brinquedos são dela, certo?
Eu odiaria que alguém entrasse no meu quarto e doasse as minhas coisas sem a minha permissão. Respeito não tem idade.
Toda vez que ele queria sair do quarto, antes me dizia bem sério: - Espera eu voltar para continuar separando as coisas, heim?

Eu esperava...
O mais bacana era quando ele encontrava um brinquedo que não via há muito tempo. O Felipe ficava todo feliz e saia para mostrar para todo mundo. – Olha só o que eu encontrei!

Eu esperava...
A 4ª etapa foi guardar os brinquedos no lugar correto. Dessa vez, eu pedi para ele sair porque queria fazer uma surpresa.
Os objetos menores foram separados por itens e guardados nos organizadores: carrinhos, bonequinhos e Playmobil colocados em um lugar onde ele pudesse pegar e depois guardar.
Da mesma forma, na prateleira de baixo ficaram os brinquedos de porte grande e médio, aqueles que ele mais brinca. Na prateleira de cima, os brinquedos maiores e mais bonitos.
Afinal, o quarto além de organizado também precisa ficar bonito.
Sem tantas coisas, eu pude mudar alguns móveis de lugar para tornar o espaço maior e ainda sobrou um cantinho para colocar uma mesinha para estudo, com abajur. “O Escritório do Felipe”. Super simples, mas ele adorou.
Quando tudo ficou pronto, eu fiz um suspense e o chamei para ver o novo quarto. Gente, o sorriso sincero no rosto dele já me disse tudo. O Felipe correu na minha direção, abraçou as minhas pernas e me deu um beijo no rosto.

Estávamos quites.
Nós estamos perto do Natal e eu acho que é uma época muito oportuna para fazer uma arrumação no quarto das crianças para separar alguns brinquedos para doação.
Além disso, é a oportunidade para despertar nos filhos sobre a importância do consumo consciente e também que devemos ser solidários com as outras pessoas.
As crianças aprendem mais rápido com os exemplos dados pelos adultos do que com palavras.
Dá trabalho? Ô se dá. É preciso acompanhar o ritmo delas, mas é só colocar um pouco de amor que dá tudo certo.