terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Novidade do verão: Bronzeamento a Jato


Não é porque moro em cidade de praia que tenho a pele bronzeada o ano todo. Pelo contrário, vou muito pouco a praia e quando decido ir estou com a pele branca, cor de escritório.
Se colocar o biquíni e encarar o espelho fica mais difícil com o avanço da idade, com a pele branca é ainda mais complicado porque não é possível esconder as estrias, celulites e outras companheiras indesejáveis.
Quase sempre acabo abusando e deixo o protetor solar de lado para garantir rapidamente uma pele bronzeada, apesar de saber dos riscos à saúde.
Dessa vez, eu decidi mudar um pouquinho e, após pesquisar, descobri que a novidade deste verão, totalmente aprovada pelos dermatologistas, é o bronzeamento a jato.
As estrelas de Hollywood como Sandra Bullock, Jennifer Aniston, Pamela Anderson e Charlize Theron já aderiram a ele e apareceram em pleno inverno com um colorido digno das Bahamas. Logo virou um sucesso tão instantâneo quanto sua aplicação.
Segundo os especialistas, o método é muito mais seguro do que as câmaras ou camas de raios ultravioleta (UV), que até pouco tempo era a única opção para quem quisesse exibir um bronzeado fora da alta estação.
Eles dizem que os raios UV utilizados nas lâmpadas do bronzeamento artificial provocam envelhecimento precoce e aumentam os riscos de doenças de pele. Cruz credo!
Outra opção é se bronzear ao sol, um método mais natural e agradável. Mas, fora dos horários indicados e sem a proteção adequada, os especialistas há tempos alertam para efeitos devastadores, desde a formação de rugas precoces, ressecamento excessivo e formação de manchas até câncer de pele de diversos graus.
A minha pele do rosto já apresenta manchas de sol. Quem consegue relaxar o corpinho e curtir o sol com essas previsões horríveis?
O sistema de bronzeamento a jato (que existe em diversas marcas) utiliza produtos com os mesmos princípios ativos dos autobronzeadores: o DHA (abreviatura do composto químico diidroxiacetona, um açúcar que reage com as células da superfície da pele, oxidando-as e produzindo uma substância amarronzada, a melanoidina) e a eritrulose (outro derivado do açúcar que age da mesma maneira, mas dá uma tonalidade mais natural à pele).
A grande diferença fica por conta da aplicação, inspirada na técnica de pintura automotiva: no bronzeamento a jato mais comum, o cosmético bronzeador é colocado em uma pistola de ar comprimido, o aerógrafo.
Cabe à profissional, em geral a esteticista, a aplicação milimétrica em cada centímetro do corpo e do rosto. O surgimento de manchas é raro e a cor, que dura até dez dias, fica muito próxima da conseguida com o bronzeamento natural. Além da aplicação com o aerógrafo, um outro método mais recente que vem ganhando adeptos é o de cabines com pontos jateadores que cobrem a pele com uma bruma do produto em poucos minutos.
Agora só falta descobrir um lugar próximo da minha cidade que oferece esse serviço de bronzeamento a jato. Alguém tem essa informação?


O passo a passo

1. O cabelo é protegido por um tipo de touca plástica. Em alguns institutos, os pés também recebem proteção porque escurecem muito rápido e podem manchar perto dos calcanhares e entre os dedos. Unhas também devem estar protegidas por esmaltes escuros, para que não fiquem amareladas. Você pode vestir uma calcinha descartável ou levar um biquíni do tamanho que você costuma usar.

2. Prepare-se: no bronzeamento a jato com pistola, a cliente fica em pé, com as pernas afastadas e os braços abertos na altura dos ombros, durante toda a aplicação e secagem (de 40 minutos a uma hora). No bronzeamento vaporizado, a cliente entra em um tipo de cabine com diversos pontos jateadores que, em ação, cobrem cada centímetro de pele em apenas três minutos (incluída a secagem).

3. A roupa só pode ser vestida após a completa secagem. Aconselha-se que não seja clara, para evitar possíveis manchas.

4. No bronzeamento a jato, é preciso esperar de quatro a oito horas antes de tomar banho, para que o produto aja completamente. No vaporizado, o banho está liberado após duas horas.

Fonte de Pesquisa: Revista Marie Claire