quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Adeus, China – O último bailarino de Mao, de Li Cunxin


 
Autobiografia de Li Cunxin, 6º filho de uma família chinesa, que conseguiu sobreviver a uma infância de extrema pobreza e alcançar o sucesso nos Estados Unidos.
A história começa no dia do casamento dos pais dele. Uma cerimônia rica em significados.
A partir daí, o autor narra sobre a vida da família no vilarejo, onde parece faltar tudo, menos o amor da família. 
O que chama a atenção nesta parte da história é a demonstração de afeto entre os pais e os filhos, que não  é demonstrado por palavras, mas com gestos de generosidade.
Li também recorda as tradições e as superstições chinesas, contando detalhes das comemorações do Ano Novo e da cerimônia de enterro da sua avó, contextualizando com a situação política do país.

 

Aos 11 anos, Li Cunxin estava na escola mais interessado nos pássaros lá fora do que no Livro Vermelho de Mao quando os delegados culturais de madame Mao chegam à procura de jovens camponeses que, depois de receberem a formação necessária, possam tornar-se os fiéis guardiães da grande visão de Mao para a China.
No último momento, a sua professora toca no ombro do oficial e aponta para Li. "Que tal aquele?", ela pergunta. Esse momento muda a vida dele.  
Li Cunxin não entende nada de dança e muito menos de passos de ballet, mas sabe que pode ser a única chance de dar uma vida melhor a sua família, por isso, supera a dor física e o medo de ficar longe de casa.
Com o tempo, ele se apaixona pela dança e, com muita, muita dedicação se torna o melhor bailarino da companhia.
Com a morte de Mao, a China se torna mais aberta para a cultura ocidental e ele recebe um convite para se apresentar nos EUA.  

Quando ele chega aos EUA fica espantado ao ver os carros e casas luxuosas, principalmente, a fartura de comida e até Caixa Eletrônico!, rsrs.
Ele recebe um novo convite para retornar à América e a essa altura, apesar de confuso, já percebe o quanto tem sido manipulado pelo governo comunista.
Na segunda viagem que faz aos EUA, Li Cunxin se apaixona por uma bailarina, casa com ela e vira um desertor. É um drama porque ele já é considerado um astro na China.
Ele fez parte de algumas das maiores companhias de balé do mundo e se tornou amigo do presidente e da primeira-dama, de astros do cinema e das pessoas mais influentes dos Estados Unidos
O estrelato não diminuiu a saudade de sua família e dos amigos que deixou na China.
Não vou contar o final da história (ahhhh...).
É um livro inspirador que fala sobre coragem, família e o anseio de um jovem por liberdade. Super recomendo!