quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

DICA DE LIVRO - O Trem dos Órfãos, de Christina Baker Kline



Eu comprei esse livro pela capa, uma menina com mala de viagem e sapatos desgastados em uma rua de terra me deixou curiosa. A história se passa entre os anos de 1854 e 1929, quando os chamados ‘trens dos órfãos” percorriam regularmente cidades da Costa Leste até as fazendas do Meio Oeste dos Estados Unidos, carregando milhares de crianças abandonadas.


“Acredito em fantasmas. São eles que nos assombram, aqueles que nos deixaram para trás”.
Essa é a primeira frase do livro.



Apesar do mistério, ela aparece meio deslocada. No entanto, se a ideia é prender o leitor para que ele não desgrude do livro até entender o sentido da frase, comigo deu certo.

O livro conta a história de duas órfãs. Vivian Daly, com 91 anos, e Molly, uma adolescente problemática.

Para não acabar em um reformatório, Molly aceita ajudar Vivian a se desfazer de seus pertences antigos, que estão guardados em um sótão.

Quando as caixas vão sendo abertas, Vivian vai reconhecendo os objetos que marcaram a sua vida: um casaco de lã, cartas do seu grande amor, o primeiro livro que ganhou...

Vivian conta a Molly sobre a sua infância na Irlanda. Ela conta que sua família era muito pobre e decidiu se mudar para Nova York em busca de uma nova vida, mas acabou morta em um incêndio.

Sendo a única sobrevivente, ela foi levada de trem com dezenas de crianças para serem oferecidas a famílias que estavam dispostas a adotá-las. No entanto, nem todas essas famílias queriam um filho ou filha, algumas estavam apenas atrás de mão- de- obra quase escrava.

Vivian e Molly descobrem que tem muito em comum, apesar de pertencerem a gerações tão diferentes.  Dessa amizade surgem muitas surpresas para ambas.

Para contar esse fato pouco conhecido da história americana, a autora se inspirou em diversas situações da sua vida, no finalzinho ela detalhe cada uma delas e é possível entender como o livro foi nascendo, como uma colcha cheia de retalhos.

Eu não vou contar mais sobre o livro para não perder a graça. Eu quero que você leia.

Lembre-se que livro bom não é para ficar guardado na prateleira, depois de ler doe a um amigo.

Assim você terá mais uma pessoa para conversar sobre o livro.