quarta-feira, 8 de julho de 2015

O Sal da Terra


O documentário conta um pouco da longa trajetória do renomado fotógrafo brasileiro, Sebastião Salgado, e apresenta seu ambicioso projeto "Gênesis", uma expedição que teve como objetivo registrar, a partir de imagens, civilizações e regiões do planeta até então inexploradas.

Veja o trailer legendado:



O fotógrafo Sebastião nasceu em Aimorés (MG), em 1944, único filho homem entre sete irmãs, formou-se economista por pressão do pai, como ele chamado Sebastião, um fazendeiro e criador de gado.


Uma bolsa de estudos o levou, junto com a esposa Lélia, a Paris, onde acabaram se radicando, ele trabalhando para a Organização Internacional do Café. Uma câmera de presente de Lélia e as viagens a trabalho acabaram desviando o economista rumo à fotografia em tempo integral.


O documentário "O Sal da Terra" revela um fotógrafo- viajante, que retrata com sensibilidade as sagas humanas, como êxodos, migrações, secas e deslocamentos decorrentes de guerra e genocídio, mas conta pouco sobre a consolidação da sua carreira, como as passagens pelos jornais e agências de notícias.


Um ponto forte do documentário, dirigido por Wim Wenders e Juliano Salgado, é o fato de mostrar os bastidores do processo de trabalho do fotógrafo, o que considerei bastante interessante. 


Algumas imagens me impressionaram mais do que outras. Eu fiquei estarrecida com aquelas registradas no garimpo de Serra Pelada, quando fica praticamente impossível dissociar o homem da terra, tudo parece fundido em uma coisa só e a sensação é de estar em frente a um quadro surrealista.


Fotógrafo dos mais premiados e conhecidos do mundo, Sebastião Salgado revela através das lentes da sua máquina fotográfica muito mais do que imagens, ele consegue capturar a alma das pessoas e fica difícil não se emocionar. É o caso de quando as fotos valem mais do que palavras, impossível não se comover.  


Em minha opinião, o filme poderia ter um ritmo mais acelerado, em certos momentos eu achei cansativo e, confesso, apesar de ansiosa para assisti-lo até o final e ser fã do fotógrafo não conseguir evitar bocejar de sono.

Talvez eu só esteja estressada e precisando desacelerar, se você assistiu o documentário poderá me responder: o problema sou eu ou o documentário poderia ser mais ágil?

Fotos: Divulgação