segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Bali, Indonésia: exuberante pela natureza e fé do seu povo


Por Valéria Souza Ramos

Já rodamos bastante por este mundão afora, mas nada igual à leveza que invadiu o meu ser em Bali

Foi uma viagem inesquecível. Essa linda ilha na Indonésia me desligou do resto do mundo por uma semana. Foi sensacional! Precisarei de outro post para retratar todo o encanto de Bali. Neste apresentarei a cidade de Ubud, onde foi realizado o filme Comer, Rezar, Amar, com Julia Roberts, que retrata muito bem a espiritual e harmoniosa atmosfera desta cidade.


No feriado de Eid ,na Arábia, tivemos uma semana para relaxar longe das areias do oriente. O Eid, também conhecido como Grande Festa ou Festa do Sacrifício, é um festival muçulmano que sucede a realização do hajj, a peregrinação a Meca. Então, aproveitamos e lá fomos nós, sozinhos, porque o filhote ficou com amigos para permitir uma semana de love para os papis.
Bali não é só praias e ondas. Encontramos em seu interior a riqueza do povo hindu, com uma simpatia indescritível e um comportamento acolhedor. Começamos pelo interior do país, pela bela Ubud, situada entre os campos de arroz e a 35 km do aeroporto internacional de Bali.
Ubud tem uma população de cerca de 30 mil habitantes. Porém, há muitas vilas, fazendas e plantações de arroz ao seu redor. Em balinês, Ubud significa medicina. A cidade sempre foi conhecida como fonte de ervas e plantas medicinais. No final do século XIX, Ubud se tornou a sede dos senhores feudais que deviam sua lealdade ao rei de Gianyar e também se transformou no mais poderoso dos estados do sul de Bali.
O turismo na ilha foi desenvolvido após a chegada de Walter Spies, um alemão nascido na Rússia que ensinava pintura e música e se envolveu com a dança. Spies e os pintores Willem Hofker e Rudolf Bonnet receberam e entretiveram celebridades como Charlie Chaplin, Noël Coward, Barbara Hutton, H. G. Wells e Vicki Baum. Além disso, trouxeram alguns dos maiores artistas de todo Bali para ensinar e treinar os balineses em artes, ajudando Ubud a se transformar no centro cultural da província de Bali.
A cidade também marcou época cultural em 1960, com o pintor holandês Arie Smit (1916-2016) e o desenvolvimento do movimento Young Artists. Há muitos museus em Ubud, incluindo o Museu Puri Lukisan, Museu Neka e o Museu de Arte Agung Rai.
A casa de Tjokorda Gede Agung Sukawati (1910-1978), o último "rei" de Ubud, está agora ocupada por seus descendentes e seu pátio é um lugar de apresentação de danças típicas. Também foi um dos primeiros hotéis de Ubud, que remonta à década de 1930.




A Ubud Monkey Forest é uma reserva natural sagrada localizada perto da extremidade sul da Jalan Monkey Forest. Ela abriga um templo e cerca de 340 macacos (Macaca fascicularis) comedores de caranguejo. Na Indonésia é comum você encontrar os macaquinhos por toda parte.


O turismo em Ubud privilegia a cultura, a yoga e a natureza. Em contraste com a principal área turística do sul de Bali, Ubud oferece florestas, rios, temperaturas mais frias e menos congestionamento, embora o tráfego tenha aumentado dramaticamente nas últimas décadas. Uma série de pequenos e tranquilos hotéis "boutique" localizam-se entre plantações de arroz. Comer, rezar, amar, o filme com a Julia Roberts, foi filmado em Ubud e nos oferece uma ideia da atmosfera de paz da cidade.


Tivemos a sorte e o prazer de assistir a uma procissão da deusa hindu Saraswati, que em sânscrito significa "aquele que leva a essência do autoconhecimento". Saraswati é uma deusa importante no hinduísmo balinês. Ela compartilha os mesmos atributos e iconografia como Saraswati na literatura hindu da Índia, em ambos lugares, ela é a deusa do conhecimento, das artes criativas, da sabedoria, da linguagem, da aprendizagem e da pureza. Em Bali, no dia de Saraswati é celebrado um dos principais festivais hindus da Indonésia. Foi lindo sentir de perto a fé deste povo e a pureza da sua devoção.


Saraswati: deusa hindu da música, arte e conhecimento.

Todos vestem suas melhores roupas e deixam suas oferendas nos templos ou mesmo na porta de suas casas. É comum encontrar oferendas como arroz, incenso ou flores por seu caminho, tenha cuidado para não pisar em algo muito sagrado para os balineses.



Para as compras, Bali é um lugar fantástico, uma pena que existia limitação de bagagens pela companhia aérea, do contrário teria voltado ao meu tempo de sacoleira quando vendia cangas e biquínis.

A maioria das cangas vendidas no Brasil é fabricada em Bali. Então, imagine os preços! Por dois dólares você pode comprar uma linda canga, camisas ou vestidos balineses.


Há muitas plantações de arroz pelos arredores da cidade que nos mostram um lado tranquilo, mas também vimos uma cidade congestionada por milhões de scooters (pequenas motos) que é o transporte mais usado em Bali.




Nosso hotel em Ubud nos agradou muito por seu estilo e simplicidade em meio à natureza e pela dedicação e simpatia dos funcionários. Me senti completamente em casa com tanta gentileza e boas energias. O hotel também me ofereceu uma aula de culinária. Como tenho o hábito de fazer em cada país que passo, não deixei de passar um dia na cozinha com o chef balinês que me ensinou e inspirou mais ainda na arte da cozinha asiática que adoro.



Começamos a aula por uma visita ao mercado municipal, cheio de especiarias, vegetais, frutas e artesanato balinês. O mercado central é o tipo de lugar que nunca deixo de visitar a cada nova cidade que conheço.



Adoro sentir o cheiro de temperos exóticos...

Cada receita foi ornamentada com produtos naturais. As receitas são semelhantes em cores e temperos à culinária tailandesa.


Cken curry e Bali salad

Frutos do mar envolvidos no bastão de lemongrass, delicioso!
 

Meu querido professor e chef ao lado do meu marido e fotógrafo pessoal

Na cidade, além de lojinhas, mercados e lojas de objetos de arte, encontramos muitos fish spa. Foi algo interessante que experimentamos por lá. Você mergulha seus pés e eles são mordidos por peixinhos pequenos que comem todas as células mortas. A sensação é como levar um pequeno choque nas primeiras mordidas, mas depois você se acostuma e se delicia com a limpeza que dura cerca de 15 minutos. Acho que levaria uma hora se você estivesse na pedicure e custa apenas dois dólares.




As experiências gastronômicas também podem ser muito boas por lá. Para celebrar meu aniversário reservamos uma mesa no restaurante que é considerado o melhor da cidade. As reservas devem ser bem antecipadas porque é um lugar muito concorrido. Fizemos um mês antes.
No Mozaic Restaurant http://www.mozaic-bali.com/mozaic-restaurant, você degusta as cores e sabores da Indonésia no menu de sete pratos e em uma atmosfera tropical de tirar o fôlego, e claro, tudo acompanhado de bons vinhos e um excelente atendimento. O Mozaic é um oásis de criatividade no mundo da gastronomia. É também o único restaurante indonésio selecionado como um dos 100 melhores do mundo no guia San Pellegrino.


Uma das atividades imperdíveis em Ubud é o passeio de bicicleta. Fizemos um de cinco horas que nos permitiu observar a parte rural da cidade, as plantações de arroz e a cratera do vulcão Batur que ajudou a formar a ilha de Bali.




No passeio visitamos fazendas de chás e especiarias, com direito a degustação de chás e café.


Também podemos entrar na casa de músicos e experimentar um instrumento regional.



Encontramos sempre um olhar meigo e feliz nas crianças, apesar do pouco que possuem.


Ver a batalha diária das fortes e determinadas mulheres balinesas também faz parte da viagem.


E claro, é imprescindível visitar alguns dos milhares templos da cidade e sentir a alma levitar...



No próximo post apresentarei a bela e deslumbrante costa de Bali. Sinto gratidão eterna pela rica experiência absorvida em Ubud, este pedacinho especial de Bali.