quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Oi. Para você que está aí


Por Daniela Carvalho


Eu gosto de pensar em quem lê as minhas crônicas e, com isso, imagino mil situações diferentes: qual o seu lugar preferido no mundo, o que a faz feliz, se é uma boa ouvinte ou uma faladeira incorrigível, se vive sozinha com os seus bichos ou rodeada por filhos, netos e muitos amigos.

Esse exercício de imaginação é uma delícia. Às vezes eu imagino situações tão reais, pelo menos pra mim, que chego a transformar algumas leitoras imaginárias em personagens das minhas crônicas.
Eu acho engraçado quando uma pessoa me diz que se reconheceu em alguma história porque é uma prova de que temos mais em comum do que imaginamos.
Às vezes imagino você, leitora, sentada em frente ao computador, vestindo um pijama, com os olhos borrados de lápis preto e a boca ainda suja de batom, já bem gasto (sabe quando passamos batom para ir à festa e ele gruda que nem tinta?).
Até que alguém chama lá do seu quarto, com aquela voz que promete que a festa vai continuar:

- Vem pra cama!

E você pensa (quer dizer, eu imagino): Será que vai ser mais legal do que o blog? Kkkkk
Tenho vontade de dizer:

- Vai nega, estarei sempre aqui. Ou melhor, o Blog estará sempre aqui. Já essa voz que te chama, vai saber...

Outras vezes, eu imagino algumas situações mais sérias, eu posso ser bem séria também. E, então, eu penso se você está lendo o Blog Encantes no escritório, talvez escondido do chefe, para que ele não perceba que você está distraído com um tipo de leitura que te afasta das suas metas.
Quase posso ver você abrir a fanpage com todo cuidado, olhar sobre tela do computador pra ver se alguém se aproxima.

- É ele! Fecha a tela, fecha, fecha... ufa, foi por pouco.

Depois do susto, eu posso ouvir seus pensamentos (quer dizer, eu imagino):

- A minha principal meta é ser feliz. O que eu estou fazendo aqui com esse chefe espião?

Aí tenho vontade de dizer:

- Calma, garoto. Leia o Blog e convide o seu chefe pra fazer o mesmo. A felicidade está dentro de você, às vezes se esconde atrás do coração, mas uma boa atitude muda tudo.

Quando o dia está cinza, eu fico meio pra baixo e não consigo evitar pensar que você também pode estar numa pior e me empenho muito para colocar um sorriso no seu rosto, com isso, acabo sorrindo também.
Eu não sei se já contei pra você, mas enquanto penso e escrevo, eu vou sentindo tudo muito forte dentro de mim, eu me emociono pra valer. Deve ser engraçado pra quem está de fora e me vê chorar, sorrir, fazer cara de brava...
Eu devo parecer uma doida varrida.
Mas, voltando ao que estava escrevendo, sobre imaginar que você possa estar tendo um dia tenso, do tipo “me tira daqui ou vou me matar” ou “já quebrei o vaso e agora vai voar cadeira”, então...
Quando eu imagino você assim dou graças a Deus por você está lendo o Blog Encantes.

- Espera, não vai quebrar o computador. Não, não faça isso.

Se hoje já está tendo um dia catastrófico, imagina se alguém com raiva da sua atitude (porque você sabe que hoje as pessoas ficam sem comida, mas não vivem sem computador!) joga em você a praga do: “dadedidodu”.
A praga do dadedidodu é mais ou menos assim: você fica danado, desempregado, divorciado, doente e duvidando do ar que respira!
Alguma semelhança com o que está acontecendo na sua vida? Ai que situação, mas existe saída.
Para se livrar dessa praga, existem alguns caminhos. Um deles, o mais simples, é buscar outros significados para a vida, novos amigos, lugares, perfumes e (porque não?) novas palavras com a letra d: dádiva, delicadeza, divindade, doçura e duas vezes mais amor!
Quem dá significado as letras, as palavras, assim como a vida, somos nós. Tudo se transforma quando nós nos transformamos.
Mas, chega de falar de mim porque afinal o que importa é você, leitor (a). Todos me dizem isso, que o leitor deve estar em primeiro lugar e eu sempre escorrego no meu ego.
Quando eu assisto um editorial atrás de informações que possam ajudar a divulgar e aumentar o número de visitas no Blog, os entendidos no assunto sempre alertam sobre a importância de identificar o meu leitor.
E eu tenho vontade de responder:

- Eu sei quem ele é! Eu sei! Só que eu não sei, apenas imagino e tenho feito isso com muita criatividade, como você já deve ter percebido depois de tudo que escrevi.

Se eu ainda estou descobrindo quem eu sou, como posso saber quem você é.
Por enquanto, tudo é imaginação, mas nem por isso é menos complicado. Vou confessar que às vezes a minha imaginação se transforma em pesadelo e eu te imagino assim: com uma rusga na testa, aquele ar sério e concentrado, típico de quem leva a vida ao pé da letra e penso:

- Ah, senhor, ele (a) vai me detestar!

Ou você pensa que eu não tenho medo? Eu tenho muito medo de você.
Mas, continuo assim mesmo. Já me perguntei por que eu faço isso? E, concluí, que de todos os medos que eu tenho, o maior deles é de não poder escrever.
Então, vai com medo mesmo.
Eu peço paciência se esse texto parece ter sido escrito e enviado do Mundo da Lua, mas ainda estou me recuperando das férias. O espírito está demorando pra se ajeitar ao corpo. Kkkk.
Esse foi o jeito que encontrei para dizer que eu adoro imaginar como as minhas palavras tocam o seu coração e que eu estava com saudades.

Chega de férias, vamos encantar!