sexta-feira, 7 de outubro de 2016

De que lado eu vou?


Por Giobert M. Gonçalves



Agora que as eleições entraram na sua reta final e existem apenas alguns segundo turnos, podemos fazer uma pré-reflexão sobre o que restou dessa etapa que o Brasil vivenciou. Adoro história e, um dia, aí sim a história irá contar com a sua sabedoria distanciada o que aconteceu de fato nesse período. Como um sonho se desmantelou. E aqui eu não estou falando de esquerda ou de direita, de coxinha ou mortadela. Estou falando de pessoas. 
O hashtag de antes era #NAOVAITERGOLPE. Mas o que era o golpe? Era aquilo que alguns não concordavam? Porque o que eu acho está certo e, o que o outro acha está errado? Por mais que tentemos ser imparciais, sempre escolhemos um lado.
Permanecer no meio, na imparcialidade é algo extremamente desafiante. Eu, por exemplo, venho de uma experiência administrativa, portanto, capitalista (se é que essas nomenclaturas definem verdadeiramente a ideia) e sempre tendi para o lado que chamam de direita (eu que me achava um revolucionário e que se tivesse vivido na ditadura teria sido um guerrilheiro – ô paradoxo!).
E quando leio posts no facebock – porque o facebock é a maior expressão de liberdade de opinião para o sujeito comum –me vejo inclinando para a direita. 
Particularmente não me inclino para a esquerda que valoriza o social (e não estou falando de socialismo), o governo para as pessoas. Serei uma pessoa má? Que não pensa nos pobres? Não, eu acho que com a ideia de produção todo mundo sai ganhando. 
Mas não é disso que estou tratando aqui, estou falando de pessoas, e pessoas sentem. Presto atenção aos meus sentimentos e confesso, sinto raiva do discurso da esquerda e aplaudo o da direita. 
Mas só por que estou pendendo para um lado e, em um breve instante logo tento voltar para o impossível equilíbrio, afinal não existe o lado certo, apenas o lado que eu acho certo. 
Então, também não há o lado errado, apenas o que acho errado. E acho que isso é comum a todos e ninguém está errado por isso. 

A evolução vem justamente das contradições em busca de soluções.

E seguindo os posts do face (amo!!), vejo essa mesma característica em todos os assuntos, desde os mais particulares até os mais populares. Desde a cultura do estupro (que denominação mais feia e real – o estupro é uma cultura!) até a briga das amigas exposta ao público. 
Isso porque estou falando das coisas ruins. As boas, como as viagens e as comidas, cheias de fotinhos e mil likes são a revista Cara popular, a oportunidade de dizer, e é verdade, a minha vida é linda; mas será verdade mesmo?
Mas voltemos ao assunto “pessoas e lados”, que sentem, que pendem para um lado, que são parciais, bairristas e... todos somos, não adianta se iludir com a falsa sensação de que “eu estou no lado certo”. 
Se você está de algum lado, você não está certo. Porque o planeta não tem lado, esfera não tem lado, círculo não tem lado. O planeta não é quadrado. Foi plano um tempo, aí mudou, mas nós ainda estamos escolhendo um lado e esquecendo que somos uma grande comunidade.
Nós somos um sistema e, não pode haver lado dentro de um sistema. O coração, o rim e o estômago são de direita e o pulmão, o intestino e o cérebro são de esquerda. Ou o cérebro é de direita e o coração de esquerda?
Onde vai parar o corpo separado entre coxinhas e mortadelas. OMG (Ó my god – para quem não sabe o significado da sigla)! Aí só falta haver um Independence Day para a humanidade perceber que estamos todos juntos contra os E.T. – e parece que começa toda a história de lado novamente. Será que tem fim?
Hoje eu peguei um táxi e o motorista contou que do lado do ponto a prefeitura cedeu uma espécie de sala para que eles pudessem ter um local para um cafezinho, para almoçar. E a história era que ele, com mais alguns outros motoristas mantinham o local limpo, mas que eles acabavam de limpar e vinha um motorista qualquer do outro grupo (ou lado se quiser que fique mais óbvio) e deixava tudo sujo. E ele ficava irritado com o outro. Sugeri que ele fizesse por ele mesmo, sem pensar no outro. 

Quando temos expectativas de que o outro faça aquilo que eu quero que ele faça, sofremos. 
Então limpe o cafezinho para si, por si e na hora em que você for usar. Aceite aquilo que você não pode mudar (e poderia continuar com “mude aquilo que você pode mudar e saiba distinguir uma coisa da outra”). Mas ele não entendeu muito bem porque voltou à frase inicial dele, repetindo como se eu não tivesse entendido nada. Mas eu entendi, e tão bem que me calei.
Um sujeito vira para o outro e fala: “Você não pode continuar sendo legal com todo mundo”, e continua: “Eles irão se aproveitar de você”. O outro responde: “Mas isso é um defeito deles, não meu” – copiado de uma tirinha que eu vi no facebock.