segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Livro | Biblioteca de Almas, de Ransom Riggs


No terceiro e último livro (pelo menos, por enquanto) da série “O Lar da Srta. Peregrine para crianças peculiares” começa em Londres, no tempo atual e assim como os outros une fantasia, fotos antigas e muita ação. Dessa vez, Jacob Portman, Emma e o cachorro Addison vão parar no Recanto do Demônio, uma complexa fenda temporal que abriga todo tipo de vícios e perversões.
Guiados pelo sinistro barqueiro chamado Sharon, os três passam por muitos perigos para resgatar os seus amigos e das Ymbrynes (aves), que estão presos na fortaleza dos acólitos.
Neste livro, Jacob descobre uma poderosa habilidade – ele consegue falar e hipnotizar os etéreos - e não demora a explorá-la. Isso deu mais adrenalina à história porque a habilidade ainda está sendo testada pelo personagem e às vezes funciona e outras não.
O autor também fala sobre o vício em drogas, que no livro é chamada de ambrosia, e mostra como o seu efeito é danoso aos seres peculiares transformando-os em maltrapilhos e dependentes, capazes de qualquer coisa até trair os seus amigos para obter essa substância.
Eu achei bacana a ideia de aproveitar a história para alertar o público infantil e juvenil sobre os riscos da dependência química.
Nesta história também aparecem novos personagens peculiares, como a Mãe Poeira, que tem o dom de curar, mas sempre que faz isso perde um pouquinho do seu corpo que se desfaz como poeira.
No último livro da trilogia também ficamos sabendo mais sobre a história dos personagens, com destaque para os irmãos da Srta. Peregrine, Betham e Caul, e entendemos como as relações familiares podem ser complexas.
Aventuras, surpresas, drama familiar e no meio disso tudo Emma Bloom e Jacob Portman vivem um romance quase impossível.
No segundo livro, Portman estava decidido retornar à sua família e se separar de Emma, mas teve que adiar quando os seus amigos foram sequestrados. No final da série, a separação dos dois parece inevitável, mas será que é isso o que acontece?
Eu não vou contar tudo para você, kkkk.
Algumas pessoas me perguntaram o que eu gostei nesta série de livros criada por Ransom Riggs.
Do que eu mais gostei foi como ele deu vida aos personagens a partir de fotos antigas. A inspiração vem de lugar e situações inusitadas.
Eu mesma sempre que olhe uma foto antiga de alguém sempre imagino como era a vida da pessoa, o que teria acontecido com ela e como seria bom se pudesse voltar ao tempo e conhece-las.
Parece que não sou apenas eu que penso assim e gostei de saber disso, de certa forma me identifiquei.
Com relação à história não foi realmente a minha favorita, mas valeu como um exercício de imaginação. Curti, mas não amei.