quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Desbravando Ilhabela: cachoeira da Toca


Por Andressa Rodrigues




Em todo dia primeiro de janeiro, bem cedinho, eu costumo dar um mergulho na praia do Guaecá, em São Sebastião. É minha maneira de dar boas-vindas ao ano que se inicia. Depois, planejo um banho de cachoeira, para recarregar as energias e atrair boas vibrações. Meu 2017 começou exatamente assim. Dia primeiro teve mar e dia 3, cachoeira da Toca, em Ilhabela.

Para o passeio ficar ainda mais divertido, eu e meu marido decidimos ir de bicicleta. Da saída da balsa, na Barra Velha, até a Toca são pouco mais de cinco quilômetros. E é bem fácil de chegar. Basta seguir as placas e respirar fundo, pois boa parte do caminho é só subida. Mas nada assustador. Dá para ir numa boa.


Chegando lá, uma surpresa um pouco desanimadora. Por ser uma área particular, a entrada é paga e custa 25 reais por pessoa. Nós não tínhamos nos informados sobre isso antecipadamente. Mas como já estávamos lá - e com muito calor após a pedalada - resolvemos encarar. Valeu a pena!



A visitação é dividida em três partes. No topo encontra-se a “Toca”, uma grande gruta com a queda d’água ao lado. Embaixo da gruta é raso, mas onde a água cai forma-se um poço de quatro metros de profundidade. Na sequência, seguindo o fluxo do rio, você chega na “Ducha”. O nome é bem apropriado, pois a força da água (que vem de aproximadamente três metros de altura) é uma verdadeira massagem natural. E por fim, o “Tobogã” - a parte que eu, particularmente, achei mais animada. É só ter uma boa dose de coragem e se deixar levar! A combinação ‘força da água + pedras lisas’ te conduzirá até um poço de três metros de profundidade. Escorreguei três vezes!
O local é todo sinalizado, com guias turísticos e coletes salva-vidas à disposição. Além disso, logo na entrada, você pode se servir de repelente natural para encarar os borrachudos. E antes de ir embora, os funcionários te oferecem doses de aguardentes que são produzidas lá mesmo. Outro detalhe: na entrada, você ganha uma pulseirinha, que te dá o direito de voltar outra vez, no mesmo dia, sem pagar nada adicional. Assim, você pode ir à cachoeira de manhã, depois seguir para a praia e, antes do dia terminar, voltar à cachoeira novamente.


 Meus “rituais de ano novo” já estão cumpridos, mas como ainda temos muito verão pela frente, pretendo ir a outras cachoeiras de Ilhabela. Você sabia que o arquipélago tem 365 cachoeiras? É uma para cada dia do ano!Está aí uma boa meta para 2017. E para embalar a aventura, uma música da banda de reggae Planta e Raiz...

“Com certeza, você já se banhou na queda de uma cachoeira.
Sentindo a sensação da sua alma sendo purificada por inteira”.
(Planta e Raiz - Com certeza)