sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Onde está o seu futuro agora?



Giobert M. Gonçalves

Uma coisa que sempre falo para as pessoas que me procuram é que o cérebro, essa maquininha maravilhosa, obedece como uma gueixa as ordens da mente. E quem é a mente? Somos nós mesmos, oras! A mente é o que pensamos. E o cérebro obedece às ordens da mente.
Você já parou pra pensar no que você pensa? Você gosta do que você pensa? Tome cuidado com o que você pensa porque é isso que vai acontecer.


Uma coisa importante para você saber sobre o cérebro, é que ele não entende o conceito do não. Não fazer, não ser, não querer, não sentir, o cérebro não entende. Vou explicar de uma forma mais simples: quando você fala para uma criança não mexer em algo, qual a primeira coisa que ela faz? Corre pra mexer. O cérebro é a mesma coisa, ele não entende o não e fica só com o restante do pensamento e busca cumprir com a ordem, aí, ferrou! Quando você fala sobre algo, você está chamando a atenção daquilo e, nesse caso, se for algo que você não quer, está chamando a atenção para o que não quer e é isso que vai ficar em evidência.
Ainda dúvida? Então, não pense em uma girafa!
O que você tem que fazer é dar a ordem do que você quer; daquilo que você quer que aconteça. Assim, o cérebro vai obedecer e deixar em evidência isso. E é como uma mágica! Eu fico impressionado com as coisas que começam acontecer quando eu dou essa ordem, quando eu começo a pensar naquilo que eu quero. Primeiro, o cérebro coloca em evidência o que eu quero, depois ele começa a localizar todas as referências daquilo que quero e fazer links entre todas essas coisas, e mais ainda, começa a desvendar todas as possibilidades que estão (ou estavam) ocultas em relação ao que eu quero e, pimba! Eis na minha frente o resultado prontinho.
Ok, vou desenhar: semana passada eu precisava realizar algumas tarefas e entregar uma proposta de um projeto, mas durante a semana eu tenho muitas coisas pra fazer, como todos nós, e combinei comigo mesmo de fazer na sexta-feira, que é um dia que não atendo clientes e tenho um horário mais flexível.
Mas, eu tinha esquecido que sexta era feriado, e se tem um trato que fiz comigo mesmo, é de que eu não trabalho em fim de semana e nem em feriados (trato esse que eu posso mudar a hora que eu quiser, o trato é comigo mesmo!). Então pensei que poderia fazer na sexta, caso estivesse com vontade.
Acordei na sexta e estava um dia daqueles que a chuva molha, mas não encharca, as gotas ficam a distância de um metro uma das outras, mas caem com uma frequência incrivelmente molhada. E era lua minguante, ótima para podas e para tirar mato. Um dia incrível para trabalhar no jardim. E eu já tinha combinado comigo mesmo e foi isso que eu fiz. Terminei tarde e cansado e decidi que não ia fazer o projeto, nem na sexta e nem no fim de semana, porque eu mereço. E fixei minha mente na segunda de manhã. Hum... é lá que eu vou fazer. Mas veio a voz, aquela que acha que tem razão e disse:

- Você tem que fazer.
- Eu não trabalho de fim de semana.
- Mas você tem um monte de coisas pra fazer!
- Que monte? Faz a lista aí.
- Bom, você tem que atualizar as fichas dos seus clientes. Você tem que fazer (nem lembro o que era) e tem que fazer o projeto!
- Ah! O monte de coisas são só essas três? Faço tudo na segunda.
- Mas...
- Nada de mas, deita aqui comigo e vamos ver esse seriado que está ótimo! Vem pra cá!

E ela ainda tentou murmurar coisas durante o fim de semana, mas toda vez eu dizia: Relaxa! E o fim de semana foi ótimo.

Chegou segunda e eu fiz tudo, tranquilamente. Como tem que ser.
Esse foi um futuro próximo, mas o mesmo acontece com um futuro distante. Quando a gente tem uma imagem clara (ou podemos falar pensamento) do que queremos, nosso cérebro, a máquina mais incrível do universo, se organiza naturalmente para realizar os nossos desejo, sabe por quê? Porque é essa a função do cérebro, realizar o que pensamos. Simples assim. Onde está o seu futuro agora?

P.S. – essa crônica também foi escrita assim.