terça-feira, 14 de novembro de 2017

Ilhas Maurício: Uma escapada para comemorar meus 50 anos!


Por Valéria Souza Ramos


Adoro conhecer ilhas, principalmente porque tenho origem em uma delas, nossa querida Ilhabela, no litoral norte de São Paulo. Como costumo fazer em todos os meus aniversários, organizo uma viagem para algum lugar, se não for uma ilha, que ao menos seja perto do mar.
Nestes meus 50 anos não foi preciso fazer muito esforço para organizar a viagem. Moro na Arábia Saudita e este ano tive a felicidade de passar três meses de férias na minha terra natal. No retorno ao deserto, encontrei no meu computador duas passagens para as Ilhas Maurício.
Meu amado marido me estava presenteando criativamente. Claro, que fiquei muito feliz e surpresa. Por mais que esta ilha não constasse na minha lista de desejos de viagens, incorporei a ideia e me animei. Comecei a pesquisar um pouquinho sobre o lugar onde iria vivenciar a minha virada para o meio século.
Confesso que imaginei que seria mais um lugar como as Ilhas Maldivas, que conhecia no passado. Um lugar com maravilhosos resorts, onde se passa a semana comendo, bebendo, relaxando e mergulhando... Mas as Ilhas Maurício nos surpreenderam pela beleza e pelo acolhimento!


Tínhamos apenas seis dias para desbravar a ilha, então escolhemos ficar dois dias em um hotel no lado norte e os outros quatro dias no lado sul, onde se concentram os resorts e as belas praias da ilha. Não recorremos a uma agência de viagens para os traslados. Como nosso primeiro hotel estava a 30 km do aeroporto, optamos por um táxi. Eles cobram preços justos e os motoristas também fazem o papel de guias. Com o mesmo taxista da chegada agendamos alguns passeios para os outros dias na ilha. Por cerca de 70 euros diários, eles ficam a sua disposição. Se você der sorte, e for de seu agrado, te levam aos lugares mais autênticos e não somente aos pontos turísticos, o que sempre procuramos explorarem nossas viagens.
Nos hospedamos no HiltonemFlicenFlac,uma das praias mais conhecidas e procuradas de Maurício, com vários pontos para mergulhos, snorkelling e lagoas com águas de um azul anil espetacular: para se deixar levar um bom tempo no mar. É uma área com bastante movimentação noturna, com muitos resorts, restaurantes e também várias opções para hospedagens com preços mais populares, como hostels e bed and breakfasts.

Não dá vontade de sair destes belos hotéis, neste em que ficamos, há sete restaurantes, atividades e facilidades para emergir numa agradável atmosfera crioula, mas tínhamos vontade de explorar os arredores. Resolvemos caminhar um dia todo pela vila, para fazer parte daquele habitat tão agradável. Em um restaurante tailandês tive a boa sorte de encontrar e reconhecer um gohonzon, objeto de adoração do Budismo de Nitiren Daishonin, que estudei e pratiquei por 10 anos quando vivia no Brasil. Foi um momento mágico na viagem. A proprietária do restaurante, percebendo minha admiração, apresentou-se e ficamos batendo um bom papo por horas. Ela me contou que na ilha o Hinduísmo prevalece como religião, mas que também há católicos, muçulmanos e budistas. Todos convivem pacificamente e com respeito por cada religião. Este aspecto me chamou a atenção, já que na Arábia Saudita não posso se quer levar comigo uma imagem de santo ou um objeto de outra religião: não entra nada no país que não seja relacionado ao Islamismo. Em minha mente foi mais um ponto para Maurício, um país de tanta beleza natural e harmonia.


Uma das programações que mais curtimos na ilha foi nadar perto das baleias. Nosso plano se modificou em alto-mar. Compramos um pacote para visitarmos os golfinhos e depois conhecermos algumas ilhas. Em uma delas seríamos recepcionados com um barbecue. De acordo com os marinheiros que nos levaram, tivemos muita sorte, pois neste dia os golfinhos talvez tenham nadado para o outro lado da ilha e apareceram várias baleias. Foi um show à parte! Me surpreendi quando um turista do barco ao lado pulou na água e resolveu fotografá-la de perto! Por sorte, acho que elas estavam em um dia de calmaria.


Ainda na parte norte da ilha, visitamos lindas piscinas naturais, ilhas com grande variedades de pássaros e animais marinhos e a especial Cristal Island, que nos fez piscar os olhos diante de uma água tão cristalina.


Uma curiosidade que encontrei nas ilhotas foi um grande número de ambulantes aquáticos. Como no Brasil, nos deparamos com muitos vendedores de kangas, roupas e biquínis. Nas Ilhas Maurício você também pode comprar preciosidades do Oceano Índico, como lindas pérolas e conchas, além de acessórios para a praia e bebidas, como o famoso rum, que é o produto forte da ilha. Claro que não podia deixar de experimentá-lo tomando uma boa dose, já que vivo em um país onde as bebidas alcoólicas estão proibidas.

Povos de várias religiões podem conviver harmoniosamente louvando este paraíso!

Seguimos para o leste da ilha, onde se encontram inúmeros resorts, cada um com uma particularidade. Nos hospedamos no ConstanceBelleMarePlage, em frente a Blue Bay, um resort magnífico! Badaladas de um sino anunciaram a nossa chegada e fomos recebidos com drinks de boas-vindas por uma equipe muito prestativa.


Este hotel recebe muitos turistas europeus e asiáticos. Pude observar nos sorrisos das chinesas e coreanas que se sentiam em pleno paraíso. Há sete restaurantes com alguns Michelin star chef se muitas atividades esportivas. Fizemos esqui aquático e snorkel, ambas atividades já estavam incluídas no pacote do hotel. Poupamos a metade do que gastamos em nossa viagem para as Ilhas Maldivas e aproveitamos mais a cultura local.
Sega, a música tradicional da ilha, é alegre e envolvente, e me fez lembrar nossos ritmos brasileiros. O suingue e a simpatia crioula alegram a ilha e as festas temáticas nos hotéis.


Como disse antes, reservamos um tour com o motorista do táxi na chegada ao aeroporto. Ele nos guiou por toda a ilha, com muita disposição e com o conhecimento de um nativo, fugindo um pouco dos lugares turísticos. Escolhemos uma rota cultural, religiosa e aventureira. Nos encantamos com todas elas. Em qualquer lugar que visitemos, sempre procuramos contatos entre os nativos. Essa é uma dica que gosto de compartilhar. Muitas vezes eles nos surpreendem mais do que os pacotes das agências. Mas se você procura comodidade e praticidade, em Maurício há muitas agências que podem organizar sua estadia.


Vale cada remada neste mar cristalino, vigiados pela montanha Le Morne, onde também se pode fazer escalada
Um dia resolvemos explorar o lado mais selvagem da ilha, visitando o Grand Bassin, também conhecido como Ganga Talao, que fica em um lago considerado sagrado pelos hindus. Eles acreditam que as águas do lago estão interligadas com o rio Ganges. Há diversos templos e um deles é considerado o maior templo hindu fora da Índia. Tivemos a boa sorte de presenciar uma cerimônia e imergir na atmosfera de fé e respeito de um povo, que acolhe com carinho os turistas curiosos. É um lugar que vale visitar sem pressa, para sentir a profundidade da paz que ele transmite. Me deixar envolver pela energia pura da cerimônia que presenciamos. Foi um momento especial para agradecer, meditar e fazer as minhas preces! 

Saraswati tem o meu respeito: adeusa hindu do conhecimento, da sabedoria e da aprendizagem!

Ao redor do lago também se encontram os templos hindus Shakti Sena, Shiva e outros deuses como Hanuman e Lakshmi. É uma região para explorar sem relógios.
No dia do meu aniversário, resolvi fazer um programa dinâmico e aventureiro, visitamos o Vallee des Couleurs Nature Park. Trata-se de um parque natural em Chamouny com várias atividades como quadbiking,buggytours ezip-lines (que é a nossa tirolesa), além da Nepalese Bridgee um restaurante. A atração principal é uma montanha de terras com 23 cores, cuja origem remonta há milhões de anos após a erupção do vulcão Bassin Blanc. Suas cinzas testemunham esse evento e são únicas no mundo, um verdadeiro colírio para os olhos.


A visita é uma experiência muito singular, no meio da exuberante flora e fauna indígenas do parque. Ficamos surpreendidos com a variedade de paisagens naturais, incluindo montanhas, vales, crateras e lagos.

Interagimos com tartarugas de mais de 150 anos, macacos, veados, peixes e pássaros, como o pombo-azul-das-maurícias, rabos-de-palha e pernas-verde, entre outros. Há várias árvores endêmicas como ébano, chifre, takamaka e plantas raras que também contribuem para a beleza do parque.


A cachoeira de Vacoas e as cascatas do Bois de Natte, AngelHair e Chamouzé são quatro lugares magníficos para um relax refrescante após as caminhadas. O parque também oferece vistas deslumbrantes e panorâmicas do litoral sul. Mas a minha maior alegria foi sobrevoar o parque agarrada na segunda maior tirolesa do mundo. É a maior da Ásia, com 1.500 km. Gostaria de repetir esta excitante aventura, mas o nativo crioulo, marinheiro de uma lancha privada, já nos aguardava para a segunda parte do meu dia especial.


Seguimos para aIle Aux, para um almoço à beira-mar preparado pelos nativos, com direito a banho de cachoeira, champanhe, lagosta na brasa e o principal ingrediente: o amor do meu marido. Os parabéns foram cantados em português, francês, inglês e crioulo: adorei!


O bolo não se podia compar com o da dona Laurita, minha mãe querida, mas foi oferecido com carinho e muita alegria pela agência da lancha. A companhia da simpatia dos crioulos e os bons runs da ilha alegraram ainda mais a comemoração do meu meio século!


Me senti em casa, arranhando meu francês e inglês!
Fechamos esta nossa viagem com bons momentos no Constance Bella Plage Resort. Um belo lugar para relaxar e até levitar de prazer!


Valeu a pena celebrar meus 50 anos em um lugar tão especial. Esta pérola do Oceano Índico é um destino acessível e harmonioso, se comparado a outras ilhas da Ásia e da África, e para onde espero regressar um dia.