terça-feira, 10 de abril de 2012

Nova York - Eu provei a maçã congelada e adorei! (PARTE 5)

AMÉRICA DO NORTE - EUA

Nova York
 

4º Dia (10/02) – Cultura

Andamos pela 5ª Avenida. Ali vale a pena voltar muitas e muitas vezes, tem muita coisa para ver e a primeira parada foi na Catedral de São Patrick para agradecer e pedir proteção para o resto da viagem.



Ainda tive tempo de comprar alguns vidrinhos para guardar água benta.



Também fiz questão de fazer uma foto em frente a Biblioteca Nacional, que já apareceu em muitos filmes, infelizmente não tive tempo para visitar o interior do prédio.



Ao contrário descemos avenida até o Empire State Building e Loja BH, voltada para o universo da fotografia.

Seguimos para o Soho, passeamos à toa por esse bairro super descolado, vendo as lojas, os prédios com sacadas na fachada, imaginando quais os artistas que moram ali.
O Soho fica perto de Chinatown e também de Tribeca. É possível conhecer tudo andando.
A Chinatown é uma bagunça generalizada. Não perdi tempo. Eu queria mesmo era conhecer Tribeca, o nome é uma abreviatura de "Triangle Below Canal Street" (ou Triângulo Abaixo da Rua do Canal, em português), com os galpões convertidos em lofts e diversas galerias. É um charme.
Quando pegamos o metrô para retornar ao hotel já era noite. Eu estava agoniada para visitar o Moma (Museu de Arte Moderna). Na sexta-feira a entrada é gratuita.



Quando entrei no museu fiquei boquiaberta.



O Moma possui a maior coleção do mundo de arte moderna você pode ver aqui e se emocionar com grandes artistas como Chagall, Cézanne, Van Gogh, Gustave Klint, Magritte, até os dias de hoje.


O visual do prédio, todo de vidro, é lindo.
Eu fiquei emocionada, mas a partir de um momento comecei a desconfiar se os quadros eram mesmo originais.
Vou explicar: era a primeira vez que eu visitava um museu tão importante, não sabia que era possível chegar tão pertinho dos quadros sem ser incomodada e ainda tirar fotos.
Pedi para o meu marido (coitado dele), que fala inglês melhor do que eu, perguntar para o vigia se os quadros eram originais ou réplicas. – This is Moma, man!
Depois dessa resposta, demos um jeito de escapar dali rapidinho e ir para outra sala. Mas, então relaxei.
Você já sentiu que estava tudo perfeito? Eu senti isso ali.
Compramos as famosas gravuras (que já enquadrei, mas ainda não pendurei nas paredes) e voltamos ao hotel.
Precisávamos descansar, pois a viagem só estava começando. No dia seguinte, pegaríamos a estrada rumo a Washington. De lá ainda seguiríamos até a Flórida.
A aventura continua, mas agora a bordo do antigo Mercury dourado.

Continuação...