quarta-feira, 2 de maio de 2012

Plano B




Eu não tenho insônia, não fico na cama acordada e contando carneirinhos. À noite eu tenho uma missão e saio à procura do Plano B, o que é bem diferente.
Não gosto de ser pega de surpresa e por isso vivo tentando prever todas as situações. Se isso acontecer, faço isso; caso contrário, faço aquilo.
O meu professor de astrologia diz que todo virginiano sonha com uma sala cheia de caixas para deixar tudo guardado e organizado. Se for isso, eu me perdoo.
Quando deito na cama, a minha cabeça começa a orquestrar milhões de situações. Raras vezes consigo deitar e dormir rápido, é bem mais comum ficar remexendo na cama até ser vencida pelo sono.
Os pensamentos são diversos. Pode ser a pintura da casa, por exemplo. Passo horas pintando as paredes de todas as cores, tentado faze-las combinar com os móveis, uma com a outra e o tempo vai passando.
Mas, no dia seguinte acordo e mal lembro o motivo que me levou a querer pintar as paredes.

- Parece que a pintura está em bom estado e aguenta um tempo mais porque pensaria em pintar?

Ou o Plano B pode ser algo que eu ouvi, não gostei, mas deixei passar.
Assuntos mal resolvidos são ótimos motivos para atiçar o Plano B. Penso em todas as hipóteses, falo com as cobertas aquilo que nunca vou dizer na vida real, imagino situações que raramente acontecem, vivo o passado cuja possibilidade de se tornar presente é surreal.
O Plano B é a minha segurança, mas às vezes um peso. Perco tempo pensando em coisas que ainda não aconteceram ao invés de relaxar e deixar a vida fazer a parte dela.
E quando brigo com o meu marido? Ai coitado, se ele soubesse o tanto de coisas que eu digo em pensamento enquanto ele está de costa para mim, no sono profundo... Aliás, ele não sofre desse mal, nunca vi alguém dormir tão rápido.
Eu não sei como a costa dele não pega fogo. No dia seguinte, depois de já ter falado tudo que eu pensava para mim mesma, estou mais calma.

- Tudo bem?
- Sim, claro!

Quem tem fôlego para recomeçar uma nova discussão depois de ter passado a noite toda falando com os pensamentos?
Às vezes esse papo noturno, eu comigo mesma, a procura de um Plano B para algo ainda irreal, leva a noite toda. Levanto faço um lanche, ligo a TV e tento afastar o pensamento.
A maioria das vezes dá certo. Só vira um problema quando assisto a um filme interessante, aí os pensamentos viajam para a tela, imagino todos os finais possíveis para o filme, eu lembro quando vivi um dilema parecido ao da protagonista.

Nova viagem pela noite.

O Plano B é para mim uma segurança, a possibilidade de poder viver o fato antes de acontecer, me antecipar e evitar sofrimento e ilusão.
Só tem um problema quando a vida, impulsivamente, age sem me avisar e joga os meus planos A, B, C, D...por água abaixo ou por noites insones.
Não sei por que ela faz isso, mas nessa noite vou pensar em um plano, qual Plano? A noite vai ser longa...