terça-feira, 9 de outubro de 2012

Vamos nos contentar em ser gente


Saber perder é difícil, mas saber ganhar é muito mais.
Claro, que é horrível quando um sonho segue por água abaixo, ainda mais quando nos entregamos a ele de corpo e alma. Como poderia ser o contrário.
É como se num instante nada mais fosse voltar a ser o que era e isso, desculpe, é uma verdade incontestável.
Nós somos o resultado das nossas experiências, assim claro que jamais seremos os mesmos de antes.
Mas, a perda de uma batalha ou a desilusão por um sonho não realizado está bem longe de ser o fim de um ideal, de uma busca, pois o nosso espírito tem o poder impressionante de se recuperar.
E para isso, basta o tempo.
Eu li um poema que falava sobre pessoas que não tem medo de perder.
Quando nada mais restar, nem palavras, nem lágrimas e o ar nos pulmões deixar de doer, o que pode acontecer? Ora, pode acontecer tudo.
Quem perde uma batalha tem um mundo de novas oportunidades a sua frente porque não está preso a nada, inclusive ao passado que antes era cheio de expectativas.
Muita gente, não se dá conta desse campo aberto a sua frente que eu chamo de liberdade e continua preso à memória do fracasso.
Se perder uma batalha não é fácil, ganhar também não é. Exige nobreza de espírito para entender que, apesar do sentimento de euforia, que nos faz sentir os donos do mundo, o tempo não para nesse momento.
Ao contrário, no instante seguinte a hora é outra.
Somos todos filhos das circunstâncias e, apesar do livre arbítrio, existe algo além do nosso entendimento que há tudo vê e analisa. Alguns chamam de justiça divina, outros da Lei de causa e efeito.
Seja que nome se dê a isso, o fato é que somos infinitamente pequenos diante desse poder.
Só merece vencer quem sabe celebrar. Eu acredito nisso. É importante vibrar.  
Mas, celebrar a vitória por uma conquista não é o mesmo que tripudiar o adversário. Só existe vitória porque existe a luta.
Só existe luta porque existem homens de coragem que se arriscam por seus ideais, sejam eles quais forem.
E quem vai julgar? Vamos nos contentar em ser gente.
Nem sempre quem vence uma batalha, vence a guerra. Nem sempre quem vence a guerra encontra a paz e é feliz.
E afinal, ser feliz não é tudo que desejamos?