domingo, 11 de agosto de 2013

Para você, pai


Confesso que estou há tempos ensaiando para escrever sobre o Dia dos Pais.
Começo, apago, recomeço, torno a apagar...
Se essas palavras conseguiram ser publicadas, me sinto vitoriosa.
O que falar sobre uma data tão especial quando não temos mais a pessoa comemorada...pelo menos, não de maneira física.
Meu pai partiu no ano passado, dois dias antes do meu aniversário. Na época, já faziam quase dois anos que não nos encontrávamos pessoalmente. Falávamos apenas por mensagens de celular ou internet...e tudo muito rápido. Deixamos que algumas mágoas nos distanciássemos; não pude, ao menos, pedir desculpas pelas minhas faltas.
O mais louco de toda essa história é que, dias antes dele partir, eu revivi lindos momentos que tive ao seu lado. Eu estava de férias, passeando por cidades e lugares que costumávamos ir na minha infância. Cada paisagem me fazia literalmente viajar no tempo. Podia senti-lo ao meu lado a todo instante. Resgatei o mais puro amor que tenho por ele.
Meus planos eram voltar e procurá-lo; mostrar fotos por onde passei e recordar os amorosos momentos que passamos juntos, quando eu era criança. Mas não tive tempo. Minhas férias foram interrompidas justamente com a notícia de seu inesperado falecimento. Reencontramo-nos no dia de seu enterro.
Disso tudo, pude tirar várias (e sábias) lições. Dizer que não cometerei os mesmos erros? Isso não garanto...mas, pelo menos, tentarei!
Ainda estou com o coração apertado, mas, a cada dia que passa, a dor é substituída pelo amor incondicional. Acredito que ele ainda está vivo...em algum lugar muito especial.
Desejo a todos (e ao meu, inclusive) um excelente Dia dos Pais!

                                                                                                           Andressa Rodrigues