terça-feira, 8 de julho de 2014

Yes, SHE can!

Minha mãe Abigail com a neta Luíza
Advogada e futura advogada.
Eu quero ser assim quando crescer: Ser a dona da minha própria história e, em cada capítulo, protagonizar cenas de tirar o fôlego.
Assim é a minha mãe.
Na sua mais recente aparição, ela garantiu um lugar de honra entre os doutores do direito.
Uma cena digna de Oscar!
Faltando ainda seis meses para concluir a Faculdade, ela decidiu prestar o exame da OAB.
Os amigos e professores da Faculdade sabiam que ela estava preparada para essa vitória.
Mas, o que eles não sabem é que essa vitória vem sendo esperada há pelo menos 50 anos.
Ser advogada sempre foi um sonho da minha mãe.
Ela tentou viver esse sonho através de mim, mas não deu certo. Gosto das letras, mas sou muito indisciplinada para os estudos.
Ela tentou viver esse sonho através da minha irmã Fernanda, mas também não obteve sucesso, por falta de aptidão.
Mas, nem todas as tentativas dela resultaram em fracasso.
E, assim, com muita emoção e orgulho, ela tem acompanhado a trajetória profissional da minha irmã Bruna.
E se não existir uma curva no caminho, logo a minha mãe poderá comemorar a formatura da sua neta Luíza, minha filha, que está batalhando para entrar na Faculdade de Direito.
Mas, quem está acostumada ser protagonista não se conforma assim tão fácil em ser coadjuvante.
E, foi assim, que a minha mãe iniciou há cinco anos a caminhada que a levaria a realizar o seu sonho de infância, que sempre foi ser ADVOGADA.
A primeira conquista foi passar no vestibular, após tantos anos longe dos livros da escola.
Isso ela tirou de letra, pois sempre foi muito estudiosa.
Eu acho que o mais difícil foi dominar o computador, mas com a ajuda extra dos genros e muita persistência, também superou esse desafio.
Foram cinco anos de muito estudo.
Não foram poucos os dias em que foi para cama de madrugada por causa das provas. Ela também deixou de viajar de férias e diminuiu as visitas a casa das filhas e dos amigos.
O meu pai, é preciso deixar registrado, foi o seu grande apoio nesta trajetória.
Ele emprestou o ombro para que ela pudesse descansar, inclusive levando lanches da tarde no quarto de estudo e a buscando na saída da Faculdade.
Mas, principalmente, emprestando os ouvidos para que a minha mãe pudesse desabafar os seus medos e angústias.
Afinal, não existe vitória sem batalha. Não existe batalha sem dor e sem muito suor.
Por isso, mãe, que estou escrevendo esse texto em sua homenagem.  
Para dizer que reconheço a sua luta e que estou muito feliz com a sua vitória.
Você provou com atitudes que tudo é possível e basta querer de verdade.
Desculpe, se demorei um pouco para escrever, mas precisava ser algo especial como você é para mim.
OBRIGADA, POR ME ENSINAR QUE OS SONHOS SÓ MORREM QUANDO A GENTE DEIXA DE ACREDITAR NELES.

O meu amor eu ofereço a você: Dra. Abigail Kosel Melo de Carvalho