terça-feira, 7 de junho de 2016

Alice através do Espelho



Grande parte dos filmes feitos para entreter as crianças encantam os adultos seja pelo tema ou a trilha sonora, quando não ocorre de ambos serem fenomenais, a ponto de se transformarem em clássicos do cinema, ou você já esqueceu “O Rei Leão” e “Procurando Nemo”?
As mensagens dos filmes infantis, revestidas de fantasia, conseguem tocar os corações mais calejados de uma forma leve e divertida.Eu gosto de observar, no final desses filmes, os pais emocionados enxugando as lágrimas, sempre penso: Quem é a criança? Quem está passando um tempo com quem?
Por falar em tempo...

No último final de semana eu fui ao cinema para assistir a continuação do filme Alice no País das Maravilhas, chamada de “Alice através do Espelho”.
A história se passa alguns anos após a viagem de Alice ao mundo das maravilhas, agora ela já é adulta, comandante do navio de seu falecido pai e, de volta a Londres após rodar o mundo, descobre que sua mãe está prestes a assinar um acordo que cederá o navio em troca da hipoteca casa.

Quase todo mundo poderá se reconhecer em Alice. Quem de nós já não teve que abrir mão de alguns sonhos da juventude em troca de segurança e estabilidade?

Diante dessa difícil decisão, Alice reencontra a Lagarta, agora uma borboleta, e a segue através de um espelho que a leva novamente ao País das Maravilhas. 
É o tempo que Alice precisa para pensar antes de tomar uma decisão que poderá mudar a sua vida. 
Ela, então, faz essa viagem através do espelho. 


Mas, ao chegar ao Mundo das Maravilhas, Alice descobre que o Chapeleiro está à beira da morte e decide salvá-lo.
A missão de Alice é descobrir onde está à família do Chapeleiro se está morta como tudo leva a crer ou se está viva em algum lugar esperando para ser encontrada.
Para salvar o amigo, Alice vai até o castelo do próprio Tempo e rouba a “cronosfera” – uma espécie de máquina que permite voltar ao passado.  
Durante essas viagens ao passado, além de revelar ao público algumas curiosidades sobre a infância da rainha Branca, da rainha Vermelha e do Chapeleiro, Alice descobre que é impossível mudar o que aconteceu e que a lembrança do que fazemos para as pessoas nos acompanham para sempre.
Novamente o filme mostra como lidar com sentimentos complexos como a culpa, abandono, mágoa, ressentimento, ódio... 
Como perdoar as pessoas que nos magoaram tanto? Como se perdoar depois de ter cometido um grave erro?
Cada um entenderá a mensagem do filme de uma maneira, eu compreendi que saber perdoar e se perdoar são a chave para a liberdade, o caminho para que deve ser feito por aqueles que desejam se reconciliar com a vida e recomeçar uma nova história mais feliz. 


O Filme poderia se chamar “Alice através do Tempo”, mas pensando bem sobre isso... Eu acho que o título está perfeito do jeito que está
Isto porque, no meu ponto de vista, o espelho no filme representa a consciência.  Quando Alice entra no espelho é como se estivesse entrando para dentro de si mesma, onde observa, aprende e se reconcilia com o seu passado para depois seguir adiante.
Então, minha amiga, se você quiser mudar o passado saiba que isso não é possível. Nem, Alice conseguiu e olha que ela estava no Mundo das Maravilhas!
Mas, se você quiser recomeçar vai uma dica da eterna Alice que vive dentro de mim:
Olhe através do espelho da sua consciência e, com toda verdade que existe dentro de você, veja o que te faz sofrer, o que te segura no passado e não permite que você siga em frente.

E se você estiver preparado para recomeçar uma nova aventura que será a sua vida: Perdoe e se Perdoe.
“Pode chamar de ‘absurdo’ se quiser, mas já ouvi absurdos que fariam este parecer tão sensato quanto um dicionário”. (Alice - Através do Espelho)