terça-feira, 11 de outubro de 2016

Brasília além dos políticos – Dois dias na terra dos candangos



Antes desta viagem, eu já tido ido a Brasília a trabalho e a minha impressão não tinha sido boa, me senti desconfortável por causa do tempo que estava extremamente seco e não tive sorte com os taxistas.  
Dessa vez, resolvida a dar uma segunda chance à terra dos candangos e deixar a má impressão no passado, eu reservei dois dias para descobrir as belezas dessa cidade, que é considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO, devido ao seu conjunto arquitetônico e urbanístico e possui a maior área tombada do mundo, com 112,5 quilômetros quadrados.

Ponte JK - A estrutura em arcos foi inspirada no movimento de uma pedra quicando na água

Planejada e desenvolvida pelo engenheiro Lúcio Costa e pelo arquiteto Oscar Niemeyer, com cálculos estruturais do engenheiro Joaquim Cardoso, Brasília foi inaugurada em 21 de abril de 1960, pelo presidente Juscelino Kubitschek e tornou-se formalmente a terceira capital do Brasil, após Salvador e Rio de Janeiro.

Eu cheguei a capital federal na véspera da eleição que terminou com o impeachment da ex-presidente, Dilma Rousseff, mas estava decidida a não me deixar contaminar por esse clima político e até certo ponto eu consegui.

Brincando de recolher pedacinhos de algodão que caíram desta árvore, próxima a Praça das Fontes, onde fica a Torre de TV
Brasília é uma cidade toda setorizada e isso facilita a vida do turista. A grande maioria das opções de hotel está nos setores hoteleiros Sul e Norte (SHS e SHN). As duas áreas são muito centrais e perto de grande parte dos pontos turísticos.
Fazer turismo em Brasília não sai barato, mas se você planejar poderá economizar com a hospedagem. Uma dica é programar a viagem para o final de semana quando os hotéis costumam baixar até pela metade o valor das diárias.


Com apenas dois diaa para conhecer a cidade, eu achei melhor contratar uma guia para não perder tempo. Como nós fizemos o tour com o nosso carro, o preço também ficou mais em conta.
Eu sugiro começar o passeio com a visita a Torre de Televisão, onde é possível ter uma visão de 360 graus da cidade de Brasília.


Ao olhar a cidade de cima também dá para ver que o Plano Piloto se assemelha ao formato de um avião. Ao longo do Eixo Monumental, a avenida que corta Brasília ao meio, que seria o “corpo do avião”, estão concentrados diversos monumentos.

Vista do Congresso Nacional da Torre de TV
 O Eixo Monumental já foi considerado pelo Guinness Book como a avenida mais larga do mundo. Cada sentido recebe um nome de via específico, sendo denominado N-1 o lado norte (sentido leste-oeste) e S-1 o lado sul (sentido oeste-leste).


Aproveite a manhã para conhecer o Santuário Dom Bosco, a igreja construída em homenagem ao padroeiro de Brasília, o santo italiano que teve um sonho premonitório sobre a criação da cidade em 1883.
Só para constar que há controvérsias sobre essa versão da história, existe quem não acredite nela, mas de qualquer forma, isso explica o fato dele ser o padroeiro.

A igreja é fabulosa. As paredes são na verdade arcos de 16 metros de altura que sustentam imensos vitrais com várias tonalidades de azul, que mudam de tonalidade conforme a posição do sol.
O lustre central contém 7.400 copos de vidro Murano. As portas, em ferro e bronze, com baixos-relevos que descrevem a vida de Dom Bosco foram projetadas pelo escultor Gianfranco Cerri.

O Santuário Dom Bosco faz parte de um dos episódios mais tristes da política brasileira. Foi durante uma cerimônia religiosa neste local, na véspera da sua posse, em 14 de março de 1985, que o ex-presidente Tancredo Neves adoeceu com fortes e repetidas dores abdominais e de lá foi, às pressas, internado no Hospital de Base do Distrito Federal.
Como no caso do sonho premonitório, há que não acredite nesta versão dos fatos. Os amantes da teoria da conspiração afirmam que ele foi vítima de um atentado dentro da igreja. Vai saber...


Ainda passeando pela história de Brasília, vá conhecer o Memorial JK. A construção do prédio é resultado do empenho de Dona Sarah, que em 1979 recebeu o terreno em doação do então presidente João Batista Figueiredo, o último presidente militar.
Antes de entrar, passeie um pouco pelo jardim e aproveite para fazer fotos junto à escultura de Dona Sarah e o ex- presidente Jucelino Kubitschek e também aproveite para observar com atenção a escultura acima do prédio do memorial.


Na época, essa obra recebeu muitas críticas de setores conservadores, que viam nela referência a um dos símbolos do comunismo, ideologia do arquiteto Oscar Niemayer: foice e o martelo.


No memorial existem muitas fotos e objetos interessantes que mostram como foi o início da construção da cidade e também retratam passagens importantes da vida do ex- presidente junto à sua família, artistas e políticos.


“Sejam quais forem os rumos da minha vida pública, levarei comigo, ao deixar o honroso pôsto que me confiou a vontade popular, o firme propósito de continuar servindo ao Brasil com a mesma fé, o mesmo entusiasmo e a mesma confiança nos seus altos destinos”, trecho da última carta escrita por Jucelino Kubitschek como presidente do Brasil, em 1961.
As roupas usadas por dona Sarah, quando era a primeira dama do Brasil

A minha parte favorita foi a biblioteca com 3 mil volumes que pertenceram ao ex-presidente, onde está a coleção original de Shakespeare (1802), doada pela Rainha Elisabeth II. Nem pense em tocar nesses livros, só de se aproximar deles o sensor de alarme dispara.


Coleção original de Shakespeare (1802), doada pela Rainha Elisabeth II
Além dos livros, o memorial guarda os restos mortais de JK que estão depositados em uma câmera mortuária, no centro do piso superior.


Pertinho dali fica o Setor Militar, onde está o Quartel-General do Exército (QGEx). É uma outra cidade dentro de Brasília e vale a pena conhecer.

Ali eu visitei o monumento a Duque de Caxias, conhecido como Concha Acústica, mais uma obra de Niemeyer. Inaugurado em 1973, é um palanque ao ar livre, com uma cobertura em forma de concha.


Atrás da concha, está a entrada principal do quartel, que dá acesso ao salão Guararapes.
Em frente à Concha Acústica está a Praça dos Cristais. Lá, é possível observar o trabalho do paisagista Burle Marx. Os cristais que dão nome à praça parecem emergir dos pequenos laguinhos. O efeito é muito bonito.


Antes de ir embora do Setor Militar dê uma paradinha para conhecer a Catedral da Rainha da Paz. Ela também foi projetada por Oscar Niemeyer tem o formato triangular que remete a uma barraca de campanha. A sua pedra fundamental foi abençoada pelo Papa João Paulo II em 1991, durante sua visita ao Brasil.

Outro ponto turístico que pouca gente visita quando está em Brasília é a Ermida Dom Bosco, uma pequena capela em forma de pirâmide, revestida em mármore branco. É o primeiro templo de Brasília e a sua localização não é aleatória.
Lembra do sonho do padroeiro? A Ermida foi construída no ponto de passagem do paralelo 15º, com o qual Dom Bosco teria sonhado, em 1883, que estaria situada a capital brasileira.


No caminho para a Ermida Dom Bosco fica o Mosteiro de São Bento de Brasília, que oferece hospedagem para quem procura realizar encontros ou fazer um retiro espiritual. É um lugar muito calmo, com linda vista para o Lago Paranoá.
E por falar no lago... Se você quiser dar uma parada para almoçar e descansar as pernas depois da caminhada, sugiro que você escolha um restaurante às margens do lago.
 

Ou se preferir um lanche rápido, deixe para visitar o local no final da tarde para assistir ao por- do- sol. Mas, não deixe de conhecê-lo.

Depois do almoço, reserve a parte da tarde para visitar a Praça dos Três Poderes.
Nesta praça estão os prédios do Palácio do Planalto (Executivo), o Supremo Tribunal Federal (Judiciário) e o Congresso Nacional (Legislativo). Se você quiser conhecer qualquer um desses lugares, precisa agendar antes. Acesse o site deles e faça o seu cadastro.


O Salão Verde da Câmara é a principal área interna do Parlamento e dá acesso ao Plenário Ulysses Guimarães.
Localizado no Salão Verde da Câmara, painel formado por ladrilhos evoca elos com a colonização
Com a ajuda da nossa guia, uma mulher com mais de 20 anos de profissão, nós conseguimos entrar no Congresso Nacional, que abriga a Câmara dos Deputados e o Senado Federal, sem ter agendado antes, mas foi tenso.  

Museu do Senado - Local onde o presidente recebe as autoridades

Primeira Constituição da República, de 1891, exposta no Museu do Senado
A segurança estava reforçada por causa do processo de impeachment contra a ex-presidente, Dilma Rousseff e não conseguimos visitar todos os lugares. Um dia depois foi encerrada a visitação de turistas.  Pensando agora vejo que tivemos sorte. 

Na Praça dos Três Poderes está escultura “Os Guerreiros”, de Bruno Giorgi, que representa os trabalhadores que construíram Brasília, popularmente chamados de candangos.

Encontra-se ainda a Pira da Pátria, o Mastro da Bandeira Nacional, o Museu da Cidade e o Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, que tem o intuito de homenagear todos aqueles que se destacaram em prol da pátria brasileira.


Os nomes dos homenageados constam no "Livro de Aço", também chamado "Livro dos Heróis da Pátria", o qual lhes confere o status de "herói nacional". Entre eles, estão: Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes; Zumbi dos Palmares; Dom Pedro I e mais recente foi acrescentado o do líder político Leonel de Moura Brizola.

No final do passeio, lembre-se de reservar um tempo para conhecer a Catedral Metropolitana de Brasília.
A igreja fica aberta diariamente até às 17h00 e o passeio vale cada minuto. Na entrada estão as esculturas de Alfredo Ceschiatti – Os Quatro Evangelistas, referindo-se a João, Lucas, Marcos e Mateus, de quase 3 metros de altura.

Por dentro ela é ainda mais bonita, com os tons de verde e azul dos vitrais se destacando entre os pilares brancos e o piso de mármore. Três anjos ficam suspensos no centro da catedral, como se estivessem abençoando a todos.


Outros detalhes tornam o lugar especial, como a réplica da estátua da Pietà de Michelangelo, as obras da Via Sacra de autoria de Di Cavalcanti e a cruz de madeira sob a qual foi rezada a primeira missa na nova capital.

Bem, se você ainda tiver disposição, reserve à noite para conhecer o Templo da Boa Vontade, um  templo ecumênico, em formato de uma pirâmide, que busca a unidade entre as religiões. Ele fica aberto 24 horas, nunca fecha.
Só para aguçar a sua curiosidade, segundo dados da Setur – Secretaria de Turismo do Distrito Federal é um dos locais mais visitados da Capital Federal, recebendo anualmente cerca de um milhão de peregrinos e turistas.


Na volta, aproveite para conhecer o Palácio da Alvorada, residência do presidente da República. A não ser que tenha conseguido agendar a visita, você só poderá olhá-lo de longe.  O Palácio do Jabuti fica ainda mais escondido das vistas dos turistas.


Se tiver tempo, aproveite o dia seguinte para conhecer o Catetinho, a residência oficial de JK durante a construção de Brasília. Observe que existe semelhança no formato - comprido - desse prédio de madeira com o Palácio da Alvorada e veja como tudo começou...

Quarto do ex- presidente Jucelino no Catetinho
O prédio, todo em madeira, possui cômodos simples e ainda mantêm a decoração da época em que os quartos eram ocupados por Juscelino, Oscar Niemeyer e Bernando Sayão.
No local, há exposições de fotografias da época da construção da capital federal e um caminho em meio às árvores leva até uma fonte de água.
Como fica no caminho para o aeroporto, deixe para visitar o Catetinho no dia em que estiver indo embora da cidade. A entrada é gratuita e o local fica aberto à visitação de terça a domingo, das 9h às 17h.

Espero ter conseguido mostrar que a cidade de Brasília está muito além dos políticos.
Prepare-se para conhecer uma cidade planejada e contemporânea, que reúne prédios impressionantes e pessoas de mundos, classes sociais e crenças religiosas completamente diferentes.
As sedes de todas as embaixadas ficam nesta cidade e a mistura de sotaques e costumes torna Brasília uma cidade plural. É impossível estar lá e ficar indiferente a essa energia vibrante, mesmo quando se quer apenas passear por suas ruas.