sexta-feira, 16 de junho de 2017

Agite a sua vida

Por Giobert M. Gonçalves


Você já se sentiu rejeitado? Ultimamente tenho observado essa sensação em mim e percebi que a rejeição vem muito mais do meu próprio comportamento do que do comportamento de quem eu nomeio como o responsável pela minha rejeição. Olha que engraçado: eu fico esperando que ele olhe para mim, diga que me ama, que me abrace e que faça aquilo que eu gosto. E eu? O que eu faço para isso acontecer? Nada. 
Eu fico só esperando, e quem espera não alcança! Eu preciso me movimentar na direção do que eu quero que aconteça. Já falei em outros textos sobre o pensar naquilo que se quer e no sentir, e acreditar, no que se quer. Hoje estou falando de ação. Você age?
Muitas vezes ficamos reclamando de coisas na nossa vida e não fazemos nada para mudar, ficamos estagnados. Quando isso acontece estamos no lado efeito da vida, naquele momento em que ficamos falando: “Ah! Eu não consigo porque meu pai não deixa. Porque meu marido não colabora. Porque a crise impede”. O caso mais incrível é quando, em uma briga, a pessoa diz: “Mas eu não fiz nada!”. É isso mesmo, você não fez nada! Então faça, mude-se (agindo) para o lado causa da vida. Seja a causa da sua vida e não o efeito.
Você posterga? Postergar também é não agir. A falta de ação pode estar vinculada a sua maneira de pensar. Por exemplo: a pessoa que tem a tarefa da lavar a louça depois do almoço e posterga, enxerga mentalmente a pia cheia de louça para lavar. A pessoa que lava imediatamente a louça depois do almoço, enxerga mentalmente a pia limpa. Uma enxerga o trabalho, a outra enxerga o resultado! Legal isso, né? Perceba na falta de ação o que você está enxergando na sua mente, leia seus pensamentos, seja proativo!
Tem também o que eu sinto. Preguiça? Preguiça é o nome que damos para uma estratégia de fugir de determinadas ações. Estou com preguiça. Você já se observou bem quando está com preguiça? Eu, por exemplo, tenho uma sensação de paralisação interna, não é falta de vontade de fazer, é algo que até beira o medo. Seja em qualquer situação. Se for no exemplo de abraçar a pessoa que amo, tenho medo da rejeição que eu imagino... Se é o caso da pia, imagino que o resultado não será o que eu imagino e fico com medo de errar. Isso é mentira! Se tem uma coisa que faço de boa é lavar louça! Então vou pegar outro exemplo: há um tempo atrás, o sifão da pia quebrou e precisei consertar. Levei três dias para fazer isso, assisti mais de vinte vezes vídeos do youtube sobre como trocar um sifão, fui várias vezes na loja de materiais para tirar todas as dúvidas e, quando finalmente troquei o sifão estava exausto. Não é para qualquer um ficar sem ação? Toda vez que necessito fazer alguma coisa é um drama porque, assim como a imagem da pia cheia de louça para lavar, a imagem é do trabalho que vou ter para fazer essas determinadas coisas. Geralmente são coisas que não tenho o hábito de fazer. Aí fui investigar por que. São coisas que não tenho experiência, ou que não faço com frequência e aí entra a questão do perfeccionismo. Tudo tem que ser perfeito, não posso errar. E fico sem ação! Mas para isso eu descobri uma simples frase que me ajuda muito: Antes feito do que perfeito! Para mim fez todo o sentido e construí a autorização de fazer e refazer, caso seja necessário. Mas percebam que aí há ação! Como faço? Nesse momento eu paro, fecho meus olhos, respiro profunda e saborosamente repetindo para mim mesmo a frase que eu escolher adequada para o momento. Tenho várias além da que eu já disse acima: “está tudo bem, está tudo tranquilo”, “as coisas boas sempre acontecem com você”, “a vida é sempre fácil para mim” etc. Isso é meio que meditar, é dar um comando ao cérebro, isso é ação. Experimente dar ordens ao cérebro para que ele dê ordens ao corpo e você se movimente. É saudável. E observe como sua vida vai se agitar!