segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Não fomos sempre assim


Por Daniela Carvalho



Conceitos sobre o que é certo e errado mudam com o passar dos anos graças às descobertas científicas, tecnológicas e, quero acreditar, a vontade do ser humano em ser cada vez melhor, ou seja, cada vez mais humano.
Assuntos que eram tabus no passado hoje já são discutidos com mais naturalidade e isso tem ajudado muita gente a compreender o mundo e a se compreender, o que é sempre mais difícil.
Antigamente, por exemplo, dizer em voz alta a palavra “câncer” era considerado de muito mau gosto, dizia- se apenas: morreu “daquele” mal. Nem é possível imaginar essa situação nos dias de hoje.
Falar sobre sexo também já foi um tabu.
Já houve época em que o homem ficava louco só de olhar o tornozelo de uma mulher e não era caso de fetiche.
Confesso que, apesar do romantismo do passado, que ainda me encanta, fico feliz em saber que alguns conceitos – a maioria deles – já foram ultrapassados.
Um dos tabus que fico muito feliz em ver sendo desmistificado é o homossexualismo.
Hoje estamos muito mais dispostos a aceitar as pessoas como elas são e fico feliz por estar presenciando isso na minha época.
Só algo me deixaria mais contente: acordar e descobrir que há tolerância religiosa em todos os lugares do mundo. 
Porém, estou longe de ser uma liberal.
Sou totalmente contra as drogas. E falo sobre todo tipo de drogas, inclusive a maconha.
Ressalto isso, porque para algumas pessoas fumar maconha é normal e faz tão mal quanto uma xícara de café.

Sim, café para alguns é uma droga!

Até pouco tempo, falar sobre isso realmente me irritava porque eu simplesmente não conseguia admitir que alguém pensasse diferente.
Alguns acontecimentos me obrigaram a pensar sobre isso e começar a rever esses conceitos.
Antes, eu era completamente fechada a essa discussão.
Essa mudança, apesar de pequena, me fez perceber que eu sou uma cabeça dura, mas que posso ser uma pessoa melhor quando me disponho a ouvir.
Daqui a alguns anos, confesso que eu não sei o que posso estar pensando sobre isso.
O mundo, graças a Deus, não gira apenas ao meu redor! Já tenho idade suficiente para saber que a minha verdade não é absoluta.
E isso significa que, enquanto estou dizendo Não às Drogas, outras pessoas podem estar questionando: Porque Não?
Novos conhecimentos provocam grandes mudanças, quem sabe um dia eu mude esse conceito também?
Doença, Sexo, Droga, Homossexualismo... Você já se perguntou qual será o assunto tabu que nossos filhos enfrentarão no futuro?
Outro dia eu estava conversando com um amigo sobre isso e, na opinião dele, o assunto que vai reunir a próxima geração em torno de grandes e longos debates é a questão de gêneros, feminino, masculino e outros...
Sim, já existem outros gêneros e até pessoas que se definem sem nenhum. Estranho isso?
Mas, tudo é estranho até que a gente passe a compreender melhor o que está acontecendo. Até lá existe um caminho, mais longo mais alguns e mais curto para outros.
O importante é caminhar, respeitando seu próprio ritmo, sem querer apressar as coisas pegando carona no discurso de outra pessoa.
Eu, quando não sei o que pensar, consulto sempre o meu coração.
Se ele está em paz, eu sei que tudo está certo.